Arrendar casa pode sair mais caro do que comprar

Estudo da RE\MAX indica que comprar uma casa pode nem atingir 70% do custo de a arrendar, com uma poupança mensal de cerca de 260 euros.

Um estudo da RE\MAX concluiu que o arrendamento de uma habitação pode ficar mais caro do que a compra. Os cálculos da agência imobiliária têm como base de partida o exemplo de uma casa em Lisboa e com uma renda de 900 euros.

“Fazendo os cálculos a 35 anos, ao montante global de 378 mil euros de rendas é possível ainda subtrair a quantia de 17.570 euros, correspondente a benefícios fiscais de 15% das rendas suportadas a descontar no IRS (502 euros/ano). Desta forma, em três décadas e meia, o inquilino teria desembolsado 360.430 euros para usufruir da habitação”, indica o estudo.

No entanto, se a opção recair pela compra deste imóvel , no pressuposto de que este custaria 195 mil euros, “ficaria substancialmente mais barata a renda, com recurso a crédito bancário a 35 anos, dois titulares, financiamento de 80% do valor da habitação, com spread de 1% e Euribor a seis meses (-0,580%), a que se somam os custos notariais (485,92 euros), o Imposto Municipal sobre as Transmissões (4.562,78 euros), imposto de selo sobre a aquisição (1.560 euros) e imposto de selo sobre o crédito (936 euros)”, explica o estudo.

Isto significa que durante oos anos seguintes, para além da amortização dos 156 mil euros pedidos ao banco, com o seguro de vida (4.329,50 euros), o seguro multirriscos-habitação (1.241,10 euros), o Imposto Municipal sobre Imóveis (20.475 euros) e o condomínio (8.400 euros), o total a pagar seria de 250.491 euros pela aquisição do
imóvel residencial. “Em suma, o custo de comprar uma casa RE/MAX pode nem atingir 70% do custo de a arrendar, com uma poupança mensal de cerca de 260 euros”.

A agência imobiliária indica ainda que contava na sua rede no final de março com 29.669 imóveis, sendo que 93,8% destinavam-se a compra (15.512 apartamentos e 14.157 moradias) e 1.957 imóveis (6,2%) tinham como fim o arrendamento (1.790 apartamentos e 167 moradias).

Sem surpresas Lisboa com 27,5% engloba a maior parte das casas disponíveis para compra a nível nacional e também cerca de dois terços do total para arrendamento, sendo o único distrito que apresenta uma proporção significativa de opções de arrendamento, ou seja, em cada sete casas disponíveis uma está para arrendar.

Ler mais
Recomendadas

Custos de construção em Lisboa superam os de Madrid

Lisboa e Porto mantiveram a tendência crescente, já verificada nos anos anteriores à pandemia, com os custos de construção em Lisboa a superar mesmo em 8% os verificados em Madrid, diz o estudo da Arcadis.

Procura de alojamento local dispara 742% em Portugal com “lista verde” do Reino Unido

Considerada líder mundial em gestão de arrendamento de curto prazo, a Guest Ready registou este crescimento uma semana após a abertura do espaço aéreo do Reino Unido para Portugal.

Alojamento local com queda de 70% no segundo confinamento

A atividade praticamente inexistente traduziu-se num volume de negócios de 431,7 nil euros no Porto e de 556,8 mil euros em Lisboa, com as duas cidades a apresentar uma quebra de 75% face ao segundo trimestre de 2020, aponta o estudo.
Comentários