AS Roma vai ter novos donos. Negócio próximo de 600 milhões de euros

O acordo anunciado termina definitivamente o envolvimento de Jim Pallotta no clube que, nos últimos meses, já tinha demonstrado o interesse em abandonar o projeto, depois dos planos para a construção de um novo estádio terem ficado paralisados.

O clube de futebol italiano AS Roma, emblema treinado pelo português Paulo Fonseca, fechou um acordo com o Friedkin Group de 591 milhões de euros para a aquisição do controlo da equipa. O consórcio dos Estados Unidos ficará com 86,6% do capital do clube, segundo o portal “Sports Business”.

O acordo anunciado termina definitivamente o envolvimento de Jim Pallotta no clube que, nos últimos meses, já tinha demonstrado o interesse em abandonar o projeto, depois dos planos para a construção de um novo estádio terem ficado paralisados.

A AS Roma venderá à Friedkin o controlo acionista do emblema da capital italiana, e certos ativos relacionados, incluindo os fundos disponibilizados para apoiar a capitalização prevista, e determinadas responsabilidades relacionadas à equipa.

A transação será efetuada através de uma venda para a Friedkin de 86,6% do capital social da clube. A conclusão do acordo, prevista para o final deste mês, vai obrigar Friedkin a lançar uma oferta obrigatória de compra de ações em circulação, representando aproximadamente 13,4% do capital social da AS Roma.

Dan Friedkin, presidente e executivo-chefe do Grupo Friedkin, referiu que “todos nós do Grupo Friedkin estamos muito felizes por ter tomado as medidas necessárias para fazer parte desta cidade e clube icónico. Estamos ansiosos para fechar a compra o mais rápido possível e mergulhar na família AS Roma”.

Em agosto de 2014, o consórcio de Pallotta fortaleceu o seu domínio sobre a Roma depois de adquirir a participação do grupo bancário italiano UniCredit no clube. Um comunicado da Roma disse que o UniCredit já tinha vendido a participação de 31% restante na empresa controladora da Roma, a NEEP Roma Holding, para a AS Roma SPV por 33 milhões de euros. A AS Roma SPV garantiu 100% do NEEP, o que, por sua vez, representou uma participação maioritária de 78% no clube.

Em dezembro de 2017, a Roma conseguiu a aprovação de quatro órgãos locais para prosseguir com os planos de longo prazo para a construção de um novo estádio. A Roma Capitale, a Cidade Metropolitana, a Região do Lácio e o governo italiano aprovaram o projeto ‘Stadio della Roma’, com 55 mil lugares.

A Roma começou a trabalhar no projeto em fevereiro de 2012, quando iniciou a procura por um local adequado para a sua nova casa. Em dezembro do mesmo ano, o clube escolheu um local na área de Tor di Valle, em Roma, para o estádio. No entanto, o projeto ficou paralisado nos últimos anos devido a problemas de planeamento, juntamente com um caso de corrupção de alto perfil.

Ao comentar o acordo de aquisição, o ainda presidente da Roma, Pallotta, disse que “no último mês, Dan e Ryan Friedkin demonstraram total compromisso em finalizar este negócio e levar o clube adiante de uma maneira positiva. Tenho a certeza de que serão grandes futuros proprietários da AS Roma”.

Ler mais
Recomendadas

Figo discute com deputado espanhol no Twitter. “Paguei mais ao Fisco a dormir que tu acordado”

Na rede social, Luís Figo acusou o deputado do ERC Gabriel Rufián de falta de seriedade e de não apresentar propostas. O político respondeu ao lembrar que Figo foi apanhado pelo Fisco, em 2012. O português foi condenado a pagar 2,4 milhões de euros ao Fisco espanhol, por rendimentos obtidos, mas não declarados, em 1997, em 1998 e em 1999.

Vitória de Guimarães vai ter maioria da SAD após acordo com Mário Ferreira

Num comunicado publicado no sítio oficial, o clube minhoto refere que “formalizou um contrato com a Mário Andrade Ferreira, S.A.” para “adquirir, de modo faseado”, até 31 de março de 2022, a “totalidade das ações representativas do capital social da Vitória Sport Clube – Futebol SAD”, por um preço total de 6,5 milhões de euros.

Liga Portugal quer estádios de futebol com até 30% da lotação

A diretora executiva do organismo Sónia Carneiro diz que a ida passa por fazer jogos testes de forma evolutiva com o objetivo de ter cinco mil adeptos nas bancadas.
Comentários