Assista à conferência: “Do CINM à autonomia fiscal: Madeira, uma região regulada de fiscalidade atrativa”

O evento conta com o apoio da Abreu Advogados, da Empresa de Eletricidade da Madeira, e com o Alto Patrocínio do Governo da Madeira.

O Jornal Económico organiza esta segunda-feira, 9 de setembro, a conferência “Do CINM à autonomia fiscal: Madeira, uma região regulada de fiscalidade atrativa”.

O evento conta com o apoio da Abreu Advogados, da Empresa de Eletricidade da Madeira, e com o Alto Patrocínio do Governo da Madeira.

A sessão tem início às 9h30 com uma nota de boas-vindas de Filipe Alves (diretor do Económico Madeira e do Jornal Económico) e Duarte d’Athayde (managing partner da Abreu) e a intervenção de Rogério Gouveia (diretor regional Adjunto e das Finanças).

Segue-se o orador Ricardo Vieira (sócio da Abreu), que irá abordar o tema “Investir na Madeira: desafios e oportunidades”.

Depois do coffee break e período de networking, haverá um debate sobre “Fiscalidade e Autonomia” na Madeira, com Rui Leão Martinho (bastonário da Ordem dos Economistas), João Duque (professor catedrático do ISEG), Clotilde Celorico Palma (fiscalista e membro do conselho de administração da SDM) e Filipa Torres Martins (associada da Abreu).

O encerramento da conferência está a cargo de Luís Marques Mendes (advogado e consultor da Abreu Advogados).

Recomendadas

Leitores internacionais da Time Out não têm dúvidas: Bairro lisboeta de Arroios é o mais cool do mundo

A freguesia de Arroios, localizada na zona da Avenida Almirante Reis em Lisboa, superou bairros em Berlim, Lons Angeles, Nova Iorque, Tóquio ou Madrid.

Défice externo agrava-se para 1.633 milhões de euros até julho

O défice da balança de bens aumentou 2028 milhões de euros e o excedente da balança de serviços diminuiu 137 milhões de euros até julho, explica o Banco de Portugal.

“Universidade com 700 anos quer banir um alimento com milhares de anos? Incompreensível”. Produtores de leite revoltados com Universidade de Coimbra

A organização explica que a carne não é o principal produto das vacarias e que a venda ou engorda dos vitelos machos e das vacas após o fim da vida produtiva “é um complemento fundamental, quando o preço do leite está abaixo do custo de produção”.
Comentários