PremiumAtaque leva Biden a regressar a uma Síria onde não foi feliz

Iniciativa da Casa Branca é a primeira ação concreta que permite avaliar qual é a política da Casa Branca para uma região fundamental na geopolítica. Mas, para já, Joe Biden ainda vive sob o fantasma do seu antigo presidente, Barack Obama.

Pouco mais de um mês depois de ter chegado à Casa Branca, o presidente Joe Biden deu os seus primeiros tiros fora das fronteiras dos Estados Unidos: foi algures na Síria, contra posições controladas pelo Irão. Além da pressa com que sacou do coldre, Biden escolheu um lugar onde não foi feliz – enquanto vice-presidente de Barack Obama – para produzir uma espécie de statement para que os belicosos países do Médio Oriente percebam que os Estados Unidos continuam atentos às tropelias que por lá vão sucedendo.

Cedo demais? “Não estava à espera, mas não me surpreende – foi uma intervenção de natureza limitada, compatível com o nível de intervenção que os Estados Unidos sempre tiveram na região e com o tentar evitar que a influência iraniana no quadro da guerra da Síria pudesse passar desapercebida sem reação”, refere ao JE o analista Francisco Seixas da Costa.

Aparentemente, os iranianos também não ficaram surpreendidos: apesar do ataque norte-americano às forças apoiadas por Teerão na Síria – e apesar de existir de facto uma rota de entendimento para que os Estados Unidos regressem à mesa de negociações sobre o acordo nuclear – a reação do regime dos aiatolas foi claramente contida.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Joe Biden inicia primeira ação militar do mandato contra Síria

O Pentágono sublinhou que o ataque destruiu “várias instalações” e foi ordenado em resposta aos ataques contra os EUA.
Recomendadas

PremiumGrupo de trabalho faz progressos para resolver problemas do Aeroporto da Madeira

Ministério das Infraestruturas discorda das reservas apontadas pela Secretaria Regional do Turismo.

PremiumPrincipal desafio para desenvolver agroindústria é o conhecimento

Promotores de conferência para uma visão estratégica defendem que o conhecimento é a chave para desafios da sustentabilidade e produtividade.

PremiumPresidente da delegação à Comissão Parlamentar União Europeia-Sérvia: Adesão dos Balcãs à UE “não está nas prioridades de Portugal”

Em entrevista ao JE, Tanja Fajon descreve as dificuldades da abertura da União aos Balcãs Ocidentais, mas assegura que o projeto de abertura é para continuar.
Comentários