Ataques de cães disparam em Portugal com canis lotados

As autarquias não conseguem recolher mais animais nas ruas devido à aprovação da lei que em 2016 proibiu o abate de animais para controlar a sobrepopulação animal. Veterinários alertam para os riscos para a saúde pública e avisam que o problema vai piorar. GNR já registou mais ataques no primeiro semestre do que em todo o ano de 2017.

Os ataques de cães estão a disparar em Portugal devido aos canis lotados em todo o país, avança o Jornal de Notícias esta quinta-feira, 22 de agosto. A GNR registou 287 casos no primeiro semestre deste ano, quase tantos como em todo o ano passado, quando foram registados 316 ataques, e mais do que os registados em 2017 (253).

As autarquias não conseguem dar resposta para recolher os animais nas ruas, depois da aprovação da lei que em 2016 proibiu o abate de animais como forma de controlar a sobrepopulação animal.

“O número de animais que recolhemos atualmente nos CRO [Centros de Recolha Oficial] inviabiliza qualquer solução que não passe também pelo abate. Todos os CRO estão no presente momento com a capacidade lotada. Os munícipios não estão a recolher”, com os animais a acumularem-se nas ruas, denuncia Ricardo Lobo da direção da Associação Nacional de Médicos Veterinários dos Municípios. A lei de 2016 “não de adequa à realidade”, disse este responsável à JN.

Matosinhos é um dos locais onde a situação é alarmante. “Há episódios de ataques a pessoas e bens. Temos perto de uma centena de animais assilvestrados, agrupados em 10 ou 11 matilhas, que se vão reproduzindo. Se não tivermos cuidado, podemos ter uma situação incontrolável”, afirma o vereador Correia Pinto.

Já a Ordem dos Veterinários alerta que o atual problema vai demorar vários anos a resolver. “Não se resolve em um, dois ou três anos, vai demorar mais tempo”, segundo Sónia Miranda da direção da Ordem dos Veterinários.

Para o futuro, a responsável teme que o problema venha a agudizar, alertando que “é fácil calcular que o crescimento é exponencial”, criando mais problemas à saúde pública.

Ler mais
Recomendadas

Coca Cola aposta no plástico reciclado para as suas embalagens PET

A CuRe tem o potencial de apoiar a Coca-Cola na Europa Ocidental no seu objetivo de eliminar o PET virgem de origem fóssil das suas embalagens durante a próxima década, o que ajudará a eliminar a utilização de mais de 200 mil toneladas de PET virgem por ano.

Ministério Público está investigar descarrilamento de Alfa Pendular

Questionada na sexta-feira pela Lusa, a PGR confirmou hoje “a instauração de inquérito” relativo ao descarrilamento do Alfa Pendular. Segundo a PGR, o inquérito foi aberto na primeira secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra.

Primeiros 12 drones de vigilância das florestas já foram entregues à Força Aérea

A aquisição dos drones por parte da Força Aérea portuguesa foi financiada, na sua totalidade, pelo Fundo Ambiental do governo. Os drones representam um investimento inferior quando comparado aos meios aéreos tripulados, a que se junta a capacidade de permanecerem no ar durante mais tempo (12 horas), reforçando assim a sua importância na ajuda à prevenção/combate dos incêndios em Portugal.
Comentários