Auditoria ao Novo Banco: perdas com crédito somaram 1.024 milhões depois da venda ao Lone Star

“Identificámos um conjunto de entidades que após 4 de agosto de 2014 entraram em incumprimento das suas responsabilidades junto do Novo Banco, as quais haviam sido originadas no BES, alegando, em processos judiciais, que a sua dívida estava diretamente relacionada com investimentos feitos por essas entidades em empresas do Grupo Espírito Santo”, explica a Deloitte. 

Cristina Bernardo

Os períodos em que as perdas geradas com operações de crédito e outros ativos mais pesaram no balanço do Novo Banco foram os anos 2017 e 2018, precisamente após a venda de 75% do banco ao Lone Star e à inerente constituição do mecanismo de capitalização contingente a cargo do Fundo de Resolução. A conclusão conta da auditoria especial cujo relatório está publicado no site do Parlamento, expurgado da informação sensível sobre os clientes.

“No âmbito da análise à amostra selecionada identificámos um conjunto de situações relevantes, aplicáveis a créditos e ativos analisados no WS1 [Operações de crédito concedido] e WS3 [Outros ativos], com perdas superiores a 10 milhões de euros no período entre 4 de agosto de 2014 e 31 de dezembro de 2018”, relata a Deloitte.

A composição dessas perdas vem descrita sem identificar os clientes. O crédito a clientes (WS1) gerou perdas de 4 de agosto de 2014 a 31 de dezembro de 2018, de 2.143,4 milhões de euros. Sendo que estes 54 clientes e/ou ativos geraram perdas de 732,8 milhões de 4 de agosto de 2014 a 30 de junho de 2016; 386,9 milhões de 1 de julho de 2016 a 17 de outubro de 2017 (data da venda ao Lone Star) e depois de 18 de outubro de 2017 e até ao fim do horizonte da análise (31 de dezembro de 2018), as perdas subiram para 1.023,7 milhões.

No total as perdas somam 2.579,7 milhões desde a resolução, sendo que depois de 18 de outubro de 2017 e até 31 de dezembro de 2018, essas perdas tiveram um pico de 1.144,5 milhões. Isto inclui créditos, imóveis e títulos relacionados com perdas em crédito e outros ativos.

São “perdas relativas a devedores e ativos analisados no WS1 e WS3 com perdas superiores a 10 milhões de euros para os quais foi identificada alguma das situações descritas neste capítulo representam 92% e 35%, respetivamente, das perdas totais analisadas em cada um dos referidos Workstreams (2.320 milhões de euros e 1.236 milhões de euros, respetivamente)”, lê-se no relatório.

O documento revela que “na secção 6.3.2. “Operações de crédito com as perdas mais relevantes” é apresentada uma descrição sucinta dos Grupos económicos incluídos no âmbito da nossa análise cujas perdas associadas aos devedores e ativos incluídos na amostra, no período entre 4 de agosto de 2014 e 31 de dezembro de 2018, totalizam um montante superior a 50 milhões de euros”, mas esse capitulo está ocultado na versão publicada.

“Identificámos um conjunto de entidades que após 4 de agosto de 2014 entraram em incumprimento das suas responsabilidades junto do Novo Banco, as quais haviam sido originadas no BES, alegando, em processos judiciais, que a sua dívida estava diretamente relacionada com investimentos feitos por essas entidades em empresas do Grupo Espírito Santo”, explica a Deloitte.

A evolução da exposição bruta às seis entidades identificadas, pertencentes a três grupos económicos é descrita na auditoria. Era 228,5 milhões a 4 de agosto de 2014, passou a ser 228 milhões em 30 de junho de 2016 e assim se manteve todos os anos até 31 de dezembro de 2018. O relatório público não identifica as seis entidades.

A Deloitte ressalva que  “para quatro das entidades, representando cerca de 28% das perdas acima referidas, de acordo com a documentação do Banco as decisões em primeira instância têm vindo a ser desfavoráveis ao Banco. Para as restantes duas entidades, representando cerca de 72% das perdas, as decisões em primeira instância têm vindo a ser favoráveis ao Banco. Não obstante, foram registadas perdas considerando que uma das entidades foi sujeita a uma medida de Resolução e a outra entidade se encontrava em insolvência”.

Ler mais
Relacionadas

Auditoria ao Novo Banco publicada no ‘site’ do Parlamento expurgada de informação confidencial

Documento já foi disponibilizado no site do Parlamento. A auditoria da Deloitte aos atos de gestão do BES/Novo Banco é referente ao período entre 2000 e 2018 (ou seja, abarcando quer o período antes quer depois da resolução do BES e criação do Novo Banco), decorria desde o ano passado e deveria ter ficado concluída em julho, tendo sido entregue na semana passada.

Auditoria da Deloitte revela reforço do capital próprio do Novo Banco de 11.000 milhões de euros

Auditoria especial aos 18 anos de atos de gestão do BES/Novo Banco destaca que “uma parte significativa dos capitais próprios foi consumida” pelos prejuízos acumulados registados pelo Novo Banco até 31 de dezembro de 2018, que totalizaram cerca de 5.950 milhões de euros.

Novo Banco com parecer negativo por contratar a Alantra Espanha para vender imóveis

Administração Executiva do Novo Banco contratou a Alantra Espanha com “expressa proibição de ser envolvida a equipa portuguesa”. É essa divergência na escolha do assessor que o banco não referiu ao Fundo de Resolução “por considerar um detalhe sem especial relevância” e que é reportada na Auditoria Especial, esclarece o banco em reação à notícia do Público. A Deloitte levantou reservas à contratação da Alantra Espanha, quando se levantavam problemas de ‘compliance’ com a Alantra Portugal.
Recomendadas

CGD relança venda do Banco Caixa Geral no Brasil

O Banco Caixa Geral Brasil vai voltar à praça. O Governo aprovou em Conselho de Ministros o lançamento de um novo concurso de venda.

Sindicatos rejeitam aumentos zero na banca para 2021

“Os sindicatos propuseram uma revisão em 1,5% das tabelas salariais, pensões de reforma e cláusulas de expressão pecuniária, assim como um aumento de 3,1% relativo aos SAMS. Propostas que foram rejeitadas pelo Grupo Negociador das Instituições de Crédito (GNIC), que propôs, em contrapartida, uma atualização de 0% das tabelas salariais e dos SAMS”, dizem os sindicatos.
João Gama Leão Prebuild

Dono da Prebuild investiu no GES com crédito e Salgado disse-lhe que “a família nunca esquece quem a ajuda”

O dono da Prebuild contou o seu percurso profissional desde Angola até Portugal, altura em que foi convidado pelo BES a investir da ESI com dinheiro do BES garantido pelo BESA. Relatou que “o momento alto da sua carreira” foi almoçar com Ricardo Salgado. Concluiu que “a queda do meu grupo é responsabilidade do Novo Banco”, por não ter sido recebido pelo banco em 2014 e com isso ter estrangulado a liquidez do seu grupo.
Comentários