PremiumAuditoria da Deloitte ao Novo Banco afinal só chega em agosto

Primeiro-ministro garantiu que a auditoria à gestão do Novo Banco seria conhecida no final deste mês de julho, apesar de a Deloitte ter pedido mais tempo. Relatório final só estará pronto em agosto.

O relatório final da auditoria da Deloitte sobre a gestão do BES/Novo Banco, referente ao período de 2000 a 2018, nomeadamente sobre os créditos problemáticos e venda de imóveis com desconto, só vai ser entregue ao Governo até ao final de agosto. As conclusões serão assim entregues após esta sexta-feira, 31 de julho, data que o primeiro-ministro garantiu que seria conhecida a auditoria à gestão do Novo Banco e enviada ao Parlamento, depois de o Executivo ter recusado dar mais tempo à consultora para concluir o trabalho.

A elevada “complexidade” desta auditoria leva a que a Deloitte entregue apenas um relatório preliminar no prazo determinado pelo ministro das Finanças, revelou ao Jornal Económico fonte próxima ao processo.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Finanças “lamentam” que Deloitte vai amanhã enviar apenas a versão preliminar da auditoria ao Novo Banco

“No contexto deste atraso, o Governo considera que, até à conclusão da referida auditoria, não deverão ser realizadas outras operações de venda de carteiras de ativos improdutivos por parte do Novo Banco”, sublinhou o ministério liderado por João Leão.

António Ramalho disponibiliza-se para ir ao Parlamento esclarecer venda de imóveis “até em agosto”

O Novo Banco voltou a reagir às notícias publicadas sobre a venda da carteira de ativos imobiliária, realizada em 2018, sob o nome projeto “Viriato”. O CEO da instituição financeira, António Ramalho, disponibiliza-se para ir ao Parlamento prestar informações “em agosto”.
João Paulo Correia

PS quer ouvir Novo Banco no Parlamento sobre venda de imóveis

João Paulo Correia explicou que o partido quer ouvir a administração do Novo Banco e o Fundo de Resolução na reabertura do Parlamento para “saber se o interesse público está a ser bem defendido ou não está a ser bem defendido”.
Recomendadas

Lucros do Grupo Crédito Agrícola caem 33% no primeiro semestre para 50 milhões de euros

As imparidades constituídas de 391 milhões de euros penalizaram o resultado líquido consolidado do Crédito Agrícola no primeiro semestre de 2020.

Valor dos fundos de investimento em Portugal aumenta 600 milhões no segundo trimestre

A subida assentou sobretudo numa valorização dos ativos. Particulares continuam a ser a maior fatia dos detentores destes títulos.

Banco de Fomento terá sido aprovado pelo supervisor

Ainda sem conselho de administração, o Governo espera que a formalização deste banco seja célere. Nova instituição vai ser aprovada em Conselho de Ministros.
Comentários