Augusto Santos Silva aponta Brexit e melhoria de relações com os Estados Unidos como oportunidades para 2020

Ministro dos Negócios Estrangeiros demonstrou estar otimista no que toca às relações com os Estados Unidos e fala num possível acordo entre os norte-americanos e a União Europeia. Sobre o português, disse que é “uma língua sul-americana e não acaba este século sem ser uma língua africana”

Augusto Santos Silva | Cristina Bernardo

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, apontou o Brexit, a melhoria das relações económicas entre Bruxelas e Washington e o ambiente macroeconómico como aspetos positivos com impacto positivo em Portugal e na União Europeia ao longo deste ano. O governante foi o orador convidado de um almoço-debate realizado nesta sexta-feira pelo Internacional Club of Portugal.

“Conseguimos um ciclo de crescimento económico que não só permitiu subir consistentemente na média da zona euro, como nos permitiu ao mesmo tempo usar diferentes aceleradores da economia quer do ponto de vista da procura interna quer do ponto do investimento e das exportações”, disse no começo da sua intervenção. Além do crescimento económico, Augusto Santos Silva ressalvou a importância de Portugal ter ultrapassado os anos da crise sem ter vivido uma crise política.

Santos Silva tem também uma perspectiva positiva das relações internacionais, em especial com os Estados Unidos. “Nós vivemos nos últimos anos uma serie de equívocos na nossa relação de europeus com os norte-americanos”, explicou. “ Hoje em dia julgo que os dois parceiros [União Europeia e Estados Unidos] têm maior consciência da importância de chegar rapidamente a um acordo que, pelo menos, permita travar a escalada do ponto de vista comercial e consigam arranjar acordos do domínio comercial”, acrescentou. O ministro dos Negócios Estrangeiros avançou que espera um “acordo entre a União Europeia e os Estados Unidos”.

Por outro lado, o Brexit foi apresentado como outra oportunidade, tendo em conta que o “acordo comercial deve ser o esperável de zero quotas e zero tarifas”. Relembrou ainda a importância de que o Reino Unido tenha uma saída com acordo, “custe o que custar”.

A língua portuguesa foi outro fator referido por Augusto Santos Silva, com o ministro a garantir que o português é “uma língua sul-americana e não acaba este século sem ser uma língua africana”. Estabeleceu ainda uma relação entre o valor económico e a língua portuguesa. Já em 2017, o ministro dos Negócios Estrangeiros afirmara que a língua portuguesa valia 17% do Produto Interno Bruto.

Relacionadas

Brexit: Políticas de migração do Reino Unido “é um dos berbicachos” para Portugal, diz Santos Silva

As políticas de migração que o Reino Unido pretende assumir a partir de 2021 são “um dos berbicachos” que Portugal e a União Europeia têm pela frente, admitiu esta quarta-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, no parlamento.

Venezuela: Ministros da diplomacia portuguesa e venezuelana reuniram-se na Suíça

O ministro dos Negócios Estrangeiros português e o seu homólogo venezuelano, reuniram-se segunda-feira em Genebra, Suíça, uma semana após o regime de Nicolás Maduro suspender as operações da TAP, anunciou esta terça-feira o governo venezuelano.
Recomendadas

BEI e Afreximbank com 300 milhões de euros para apoiar resposta africana

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e o Banco Africano de Exportações e Importações (Afreximbank) anunciaram esta quarta-feira que vão atribuir um financiamento de 300 milhões de euros para o combate à pandemia da Covid-19 em África.

Linha de apoio a micro e pequenas empresas disponível a partir desta quarta-feira

Para se poderem candidatar, as empresas terão de apresentar uma quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua faturação, e não poderão ter beneficiado das anteriores linhas de crédito com garantia mútua. A SPGM avisa que as empresas em dificuldades não podem ter sede em países ou regiões com regime fiscal mais favorável (‘offshore’)”.

Portugal concede moratória a Cabo Verde e a São Tomé e Príncipe sobre empréstimos diretos

A adoção desta medida de suspensão do pagamento de capital e juros vai determinar uma negociação, até setembro, de acordos de moratória com estes dois países africanos de língua oficial portuguesa, e o estabelecimento de novo plano e condições de empréstimos, refere o Governo.
Comentários