Aulas vão arrancar sem o reforço prometido de mais mil funcionários

O início das aulas está marcado para entre 10 e 13 de setembro mas o reforço prometido pelo Ministério da Educação em fevereiro pode só chegar em outubro.

O ano letivo 2019-2020 tem início marcado para daqui a três semanas, entre 10 e 13 de setembro, e o reforço prometido de mais mil funcionários pelo Ministério da Educação no início do ano ainda não chegou às escolas, noticia o Jornal de Notícias, esta quarta-feira, 21 de agosto.

O presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamento e Escolas Públicas, Filinto Lima, disse à mesma publicação que os concursos de vinculação só estarão concluídos no mês de outubro, um mês após o início das aulas. O Ministério da Educação admitiu que 60 escolas ainda não deram início ao procedimento de contratação.

Filinto Lima revela que o processo se encontra atrasado e que as provas de conhecimento e avaliação psicológica estão a ser agendadas para o princípio de setembro.

Tiago Brandão Rodrigues prometeu um reforço de 1.067 assistentes operacionais para as escolas, sendo que em fevereiro chegaram a classificar este mesmo reforço como “inédito”, algo que Associação Nacional de Diretores de Agrupamento e Escolas Públicas e a Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais consideram “insuficiente”.

Relacionadas

Testes psicológicos aos auxiliares das escolas podem travar contratações

“Até parece que são pessoas que vêm ganhar muito dinheiro, mas não, vão ganhar o salário mínimo da função pública”, alerta o presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas.

PCP reclama reforço de auxiliares para alunos ainda este ano

Comunistas recomendam ao Governo a revisão em 2018 do rácio de auxiliares de ação educativa da Escola Pública no sentido do seu reforço. No projecto de resolução que deu entrada no Parlamento, PCP alerta que “fazem falta ainda milhares de auxiliares a tempo inteiro.
Recomendadas
Debate António Costa Rui Rio

Costa agita “milhares de milhões de euros” se não houver aeroporto no Montijo e Rio alerta para emigração igual à soma do Porto com Viana do Castelo

Frente a frente entre o primeiro-ministro e o líder social-democrata envolveu riscos de indemnizações à ANA, emigração em série, impostos, saúde, justiça e educação.

Do whisky aos fatos de homem. Marcas de luxo europeias podem render mil milhões de dólares a Trump

A empresa LVMH, mais conhecida pela Louis Vuitton, está particularmente vulnerável aos impostos norte-americanos propostos por Trump, uma vez que detém dois produtos de luxo: bebidas e artigos de roupa.

Portugal condena de forma “veemente” o ataque às instalações petrolíferas da Arábia Saudita

Esta segunda-feira, os mercados acordaram com uma subida de 20% do preço do petróleo depois de se saber que as instalações da Aramco, a petrolífera estatal da Arábia Saudita, foi severamente afetada por um ataque de drones levado a cabo por um grupo de Houthis, do Iémen, e que são pró-Irão.
Comentários