Aumento das rendas prejudica proprietários, alerta ALP

Para Luís de Menezes Leitão, presidente da Associação Lisbonense de Proprietários, o aumento das rendas terá pouco impacto no mercado, vistas as limitações da sua aplicação. Ouvido pelo Jornal Económico, o presidente alerta para que, nos casos onde este aumento se aplica, é-o em prejuízo dos proprietários, por causa do aumento dos custos com os imóveis.

Luís de Menezes Leitão, presidente da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP), desvaloriza a importância da atualização em 1,12% das rendas em 2018, uma vez que os contratos a que este coeficiente é aplicado são reduzidos. Em declarações ao Jornal Económico, o próprio, afirma: “Este coeficiente apenas é aplicável nos contratos antigos e naqueles em que as partes não estabeleçam outro regime de atualização de rendas, uma vez que desde 2006 as partes podem convencionar livremente a forma de atualizar as rendas”.

E mesmo dentro dos contratos antigos (anteriores a 1990), o coeficiente de atualização – indexado aos dados da inflação divulgados pelo INE – também “não se aplica aos inquilinos com carência económica”, para os quais a renda está fixada, tendo o Governo já prorrogado o prazo.

Para Menezes Leitão, o aumento das rendas tem, então, um impacto “muito reduzido”. No entanto, o próprio ressalva que, nos contratos a que se aplica este aumento das rendas “prejudica os proprietários, pois os custos com o imobiliário subiram imenso”. Assim, é sem surpresa que o presidente da ALP afirma que esta atualização das rendas não altera em nada o pacote de medidas de emergência proposto ao Governo para introdução no Orçamento do Estado para 2018, uma vez que, para “salvar o mercado de arrendamento e baixar o valor das rendas é necessário baixar a carga fiscal”.

Uma das primeiras medidas nesse sentido seria, afirma Menezes Leirão, seria acabar “imediatamente com o imposto Mortágua, que fez disparar as rendas nos arrendamentos habitacionais”. Além disso, defende o presidente da ALP nas suas declarações ao Jornal Económico, “o mercado só pode ser estimulado se o governo deixar de intervir no mesmo e reduzir drasticamente a carga fiscal”, não sendo o congelamento das rendas por parte do Governo uma medida eficaz: “O Governo já voltou ao congelamento de rendas quando prorrogou os prazos dos contratos antigos em junho passado. Desde então as rendas não têm parado de subir.”

Recomendadas

Bruxelas dá luz verde a aumentos das ajudas estatais à restauração e comércio para 1,2 mil milhões de euros

A Comissão Europeia autorizou um aumento do orçamento total, de 750 milhões de euros para 1,2 mil milhões de euros das medidas “Apoiar.Pt” e “Apoiar Restauração”, bem como do montante máximo que pode ser concedido por beneficiário. O programa “Apoiar Rendas” também foi aprovado pelo executivo comunitário.

Endividamento do sector não financeiro chegou aos 742 mil milhões em novembro

O sector público viu um crescimento de 1,4 mil milhões de euros no seu endividamento, quando comparado com outubro, enquanto que o privado verifica 0,7 mil milhões a mais. A variação total do endividamento no sector não financeiro foi, assim, de 2,1 mil milhões de euros.

Financiamento das administrações públicas sobe para 10,3 mil milhões de euros até novembro

O regulador bancário explica que desde o início do ano e até novembro, as administrações públicas financiaram-se junto de bancos residentes em 10,7 mil milhões de euros e junto do exterior em 0,5 mil milhões de euros.
Comentários