Austrália abandona objetivo de vacinar toda a sua população até ao final do ano

A Austrália, que iniciou a campanha de vacinação no dia 21 de Fevereiro, tinha inicialmente como objetivo imunizar 25 milhões de pessoas até ao final de outubro.

Sydney, Austrália

A Austrália abandonou o objetivo de vacinar toda a sua população até ao final do ano, devido às incertezas relacionadas com o bloqueio às importações de vacinas, anunciou o primeiro-ministro australiano.

“O Governo não estabeleceu e não tem planos para estabelecer novos objetivos para completar as primeiras doses. Queremos que essas primeiras doses sejam administradas antes do final do ano, mas não será possível estabelecer esses objetivos devido a várias incertezas”, indicou Scott Morrison no domingo na sua conta do Facebook.

A Austrália, que iniciou a campanha de vacinação no dia 21 de Fevereiro, tinha inicialmente como objetivo imunizar 25 milhões de pessoas até ao final de outubro.

No entanto, apenas inoculou cerca de 1,1 milhões de doses, com vacinas da Pfizer e AstraZeneca, um número que é bem inferior aos quatro milhões que previstos para o final deste mês.

Morrison atribuiu o atraso ao bloqueio de 3,1 milhões de doses da AstraZeneca pela União Europeia, que asa autoridades europeias negam, bem como aos problemas de distribuição causados pelas inundações no estado de Nova Gales do Sul, o mais populoso do país.

A Austrália comprou até agora cerca de 40 milhões de doses da vacina Pfizer e 53,8 milhões de doses da vacina AstraZeneca, das quais 50 milhões serão produzidas na Austrália.

Grupos de oposição criticaram a Austrália pelo seu lento programa de vacinação, em comparação com os países desenvolvidos, e por não ter adquirido outras vacinas, tais como as da Moderna ou da Johnson & Johnson.

A Austrália, que registou cerca de 29.400 casos de covid-19, incluindo 909 mortes, a maioria das quais devido a falhas nos centros de quarentena de viajantes internacionais na cidade de Melbourne, mantém as suas fronteiras internacionais fechadas.

Ler mais
Recomendadas

Portugal entrega vacinas a Cabo Verde e acelera calendário para lusófonos – Santos Silva

“O nosso compromisso político, que assumimos em fevereiro, de destinar pelo menos 5% das vacinas a que temos direitos ao abrigo da contratação pública europeia, para os países lusófonos africanos e para Timor-Leste, começa a ser cumprida com a antecipação do calendário”, afirmou Augusto Santos Silva.

Covid-19: Mais de 530 mil pessoas vacinadas na região Centro

João Paulo Rebelo falava no âmbito de uma visita que realizou aos concelhos do Fundão e da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e que também contou com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, e da secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira.

Com todos os indicadores-chave abaixo das linhas vermelhas, DGS considera situação epidemiológica com tendência decrescente

A evolução pandémica no território português permite ao país ter agora uma transmissão comunitária moderada com uma baixa pressão nos serviços de saúde e uma tendência decrescente a nível nacional.
Comentários