Moedas recebe apoio de Manuela Ferreira Leite e tenta convencer indecisos

Manuela Ferreira Leite entrou na conversa para defender o perfil de Carlos Moedas, dando como exemplo o socialista “Jorge Sampaio, que tinha, exatamente, um perfil discreto, não era combatido”.

Cristina Bernardo

O candidato da coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança à presidência da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, recebeu hoje o apoio da antiga presidente do PSD Manuela Ferreira Leite, numa ação de campanha em Alvalade, onde apelou ao voto e tentou convencer indecisos.

“Aquilo que vemos é, genuinamente, que as pessoas querem mudança, genuinamente as pessoas vêm ter comigo por essa mudança e sentem que estão cansadas desta governação de tantos anos, esta governação socialista de Fernando Medina”, afirmou o cabeça de lista da coligação “Novos Tempos” à Câmara de Lisboa, após uma visita ao Mercado de Alvalade e um percurso pelas ruas adjacentes.

Esse local, uma hora depois, foi também escolhido para a campanha de Fernando Medina, cabeça de lista da coligação PS/Livre à Câmara de Lisboa e atual presidente do executivo municipal. Carlos Moedas não se cruzou com o seu principal adversário, mas antecipou: “continuaria, se o visse e se me cruzasse com ele, a escrutinar, por exemplo, o caso do Mercado de Alvalade, que ainda esta semana, com as chuvas que aconteceram, inundou”.

“Isso é o escrutínio que devíamos fazer, porque um presidente da Câmara é alguém que deve estar perto das pessoas, e penso que Fernando Medina nunca esteve perto das pessoas, não ouviu as pessoas”, referiu o candidato Carlos Moedas, em declarações aos jornalistas.

Com o apoio da antiga presidente do PSD Manuela Ferreira Leite, numa comitiva com cerca de meia centena de pessoas, com as bandeiras laranjas do PSD e azuis do CDS-PP a juntarem-se às brancas da coligação “Novos Tempos”, o candidato da coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança à presidência da Câmara de Lisboa falou com comerciantes e moradores de Alvalade e ouviu várias palavras de apoio, desde “isto é um homem como deve ser” a “vamos votar no Carlos Moedas”.

A fazer compras no Mercado de Alvalade, o casal Célia Pinto e António Pedrinho, ambos na casa dos 60 anos, manifestaram o apoio à candidatura de Carlos Moedas, mas aconselharam que “é preciso mais alguma garra”, apesar de compreenderem que: “este homem tem o seu feito, é assim, é a forma de estar dele”.

“Tenho um bom feitio”, respondeu o cabeça de lista da coligação “Novos Tempos”, que pretende trazer para Lisboa uma maneira diferente de fazer política, com “mais transparência”.

Manuela Ferreira Leite entrou na conversa para defender o perfil de Carlos Moedas, dando como exemplo o socialista “Jorge Sampaio, que tinha, exatamente, um perfil discreto, não era combatido”.

Entre os eleitores indecisos em quem votar, a lisboeta Isabel Cabral, de 61 anos, confidenciou: “estou indecisa, porque ainda o conheço mal”.

“Não se vai arrepender”, assegurou o candidato Carlos Moedas.

Aos jornalistas, o social-democrata frisou a importância de conquistar o eleitorado indeciso, porque as sondagens revelam que “há muitas pessoas que estão indecisas”, podendo fazer a diferença: “é importante dizer-lhes que se estão indecisos é porque no fundo querem mudança e se querem mudança tem um candidato que pode trazer essa mudança e esse candidato sou eu”.

Comerciante no mercado, Nuno Sampaio, de 43 anos, transmitiu preocupações de que, “além de o mercado, organicamente, não estar a funcionar bem, as cargas fiscais dificultam muito as operações”.

“É por isso que queremos fazer diferente”, indicou o social-democrata Carlos Moedas, apontando como prioridade “devolver aos lisboetas os impostos que eles pagam, que pagam muitos impostos”.

Questionado sobre as queixas do atual presidente do PSD, Rui Rio, sobre o uso do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) como instrumento de campanha eleitoral por parte do PS, inclusive do primeiro-ministro, António Costa, o social-democrata Carlos Moedas partilhou da mesma ideia e reforçou que “esta bazuca europeia é de todos os portugueses, não é do PS”.

Concorrem à presidência da Câmara de Lisboa, no próximo dia 26, Fernando Medina (coligação PS/Livre) Carlos Moedas (coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT/Aliança), Beatriz Gomes Dias (BE), Bruno Horta Soares (IL), João Ferreira (CDU – coligação PCP/PEV), Nuno Graciano (Chega), Manuela Gonzaga (PAN), Tiago Matos Gomes (Volt), João Patrocínio (Ergue-te), Bruno Fialho (PDR), Sofia Afonso Ferreira (Nós, Cidadãos!) e Ossanda Líber (movimento Somos Todos Lisboa).

Recomendadas

Carlos Moedas toma posse como presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Veja em direto

O antigo comissário europeu sucede a Fernando Medina na liderança da Câmara Municipal de Lisboa. Veja a tomada de posse em direto.

PremiumUnião fez a força para o centro-direita retirar câmaras aos socialistas

Coligações lideradas pelos sociais-democratas conquistaram mais 20 autarquias sem perder nenhuma. PSD isolado teve saldo nulo com PS.

PremiumEleições geram meia centena de imbróglios autárquicos

Porto e Sintra juntam-se às câmaras em que os vencedores estão em minoria na vereação e na assembleia municipal. Mais complicada que Lisboa talvez só mesmo Évora, e número de executivos minorítários disparou em relação a 2017.
Comentários