Avaliação das casas subiu para 1.265 euros por metro quadrado em maio

Este valor representa um aumento de nove euros face a abril e de 7,6% face ao período homólogo. É o valor mais elevado do último ano.

O valor médio de avaliação das casas subiu para os 1.265 euros por metro quadrado no passado mês de maio, mais nove euros (0,7%) do do que o verificado em abril, segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira. Em relação a maio de 2018, este valor representou um aumento de 7,6%, o equivalente a mais 89 euros por metro quadrado. Trata-se do valor mais elevado do último ano.

Em relação aos apartamentos no mês em análise, o valor médio da avaliação situou-se nos 1.343 euros por metro quadrado, sendo o valor mais elevado a ter sido registado na região do Algarve (1.685 euros por metro quadrado) e o mais baixo na região do Alentejo (1.066 euros por metro quadrado).

Quando comparado com o mês de abril, o valor dos apartamentos subiu 0,8%, com a região Norte a verificar a maior subida (1,5%) e a Região Autónoma dos Açores a maior descida (2,4%). Em termos homólogos, o Algarve apresentou o crescimento mais significativo (12,3%) e a Região Autónoma da Madeira o mais baixo (1,2%).

No que diz respeito à avaliação das moradias, o mês de maio registou um aumento de seis euros, para os 1.137 euros por metro quadrado. Os valores mais elevados foram novamente registados no Algarve (1.567 euros por metro quadrado) e na Área Metropolitana de Lisboa (1.559 euros por metro quadrado) com a zona Centro a ter o valor mais baixo (993 euros por metro quadrado).

Em comparação com o mês de abril, a Região Autónoma dos Açores teve o maior aumento (2,7%), enquanto na Região Autónoma da Madeira se registou a descida mais acentuada (1,8%). Em termos homólogos, o Algarve observou o maior crescimento (9,0%) e o menor ocorreu na Região Autónoma dos Açores (3,5%).

Recomendadas

O que devem todos os cidadãos saber antes de decidir emigrar?

A DECO tem conhecimento de consumidores que arriscaram partir, em busca de soluções melhores para a sua vida, e encontraram armadilhas e um mundo de preocupações. As ofertas de trabalho no estrangeiro são comuns e parecem ser sempre aliciantes.

“Nem tudo são rosas”. Qual o impacto negativo de uma quebra nas taxas de juro?

Os bancos têm várias formas de captar o seu rendimento e se não conseguem fazê-lo ao nível dos créditos, vão aumentar comissões. “Nem tudo são rosas”, alerta João Morais Barbosa, administrador do Grupo Reorganiza.

Época de vacinação contra gripe começa hoje

Há dois milhões de vacinas disponíveis, 1,4 milhões para serem dadas gratuitamente a grupos de risco no SNS e cerca de 600 mil para venda em farmácias.
Comentários