Marchas contra a eutanásia em Aveiro, Braga, Lisboa, Porto e Viseu

A nona edição da Caminhada pela Vida realiza-se no próximo dia 26 de outubro, às 15h00 nestas cinco cidades. De acordo com a organizadora desta iniciativa, o objetivo desta ação passa por “defender todos os seres humanos, principalmente, os mais fracos e vulneráveis”.

As cidades de Aveiro, Braga, Lisboa, Porto e Viseu vão assistir no próximo sábado, dia 26 de outubro, a marchas contra a prática da eutanásia. A nona edição da Caminhada pela Vida tem como objetivo “a defesa de todos os seres humanos, principalmente, os mais fracos e vulneráveis”, de acordo com comunicado da Federação Portuguesa pela Vida, entidade organizadora desta iniciativa.

Esta iniciativa tem início nas cinco cidades referidas às 15h00. Em 2018, esta caminhada juntou mais de 10 mil pessoas que “contribuíram com o seu trabalho para pôr de pé esta iniciativa cerca de  três centenas de voluntários”, realça a Federação Portuguesa pela Vida.

Nas primeiras edições, a caminhada realizou-se apenas em Lisboa, mas atualmente a iniciativa já conta com a participação de cinco grandes cidades. A plataforma Caminhada Pela Vida acredita que em 2020 mais cidades marcharão contra uma eventual legalização da eutanásia, que tem sido defendida por partidos como o Bloco de Esquerda e o PAN, que tencionam apresentar leis nesse sentido nesta legislatura.

Na cidade de Aveiro, a caminhada arranca no largo do mercado Manuel Firmino, e em Braga na Avenida Central (Arcada). Em Lisboa, o percurso inicia-se na Praça Luís de Camões e São Bento na Assembleia da República. Já no Porto, o percurso arranca na Sé, e em Viseu no campo de Viriato.

Recomendadas

Portugal regista mais 17 mortes e 2.590 novos casos de Covid-19

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 4.128 pessoas recuperadas nas últimas 24 horas, elevando para 902.014 o número total de pessoas livres do vírus SARS-CoV-2.

Pior natalidade em 50 anos. Nasceram menos 4.500 bebés no primeiro semestre do ano

Até junho de 2021, os nascimentos ficaram ainda abaixo dos valores de 2014, voltando agora a registar-se o pior semestre em termos de natalidade dos últimos 50 anos.

Portugal com 47 concelhos do interior Norte, Centro e Algarve em risco máximo de incêndio

O período crítico de incêndios dura até final de setembro e, até lá, é proibido fazer queimadas extensivas ou queima de amontoados sem autorização, usar fogareiros ou grelhadores em todo o espaço rural, e fumar ou fazer qualquer tipo de lume nos espaços florestais.
Comentários