PremiumAviso para Costa a um mês do Orçamento: é imperativo controlar a despesa pública

O Conselho das Finanças Públicas reviu em alta o crescimento económico, alerta para os riscos que Novo Banco e TAP representam para as contas públicas e deixa recado a Costa a um mês do Orçamento do Estado.

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) reviu em alta as suas estimativas económicas para este ano, prevendo agora um crescimento de 4,7% para 2021 e de 5,1% em 2022, depois de uma contração de 7,6% em 2020.

Esta revisão em alta resulta da “incorporação do contributo da aprovação do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), dos desenvolvimentos económicos a partir do segundo trimestre de 2021 e do levantamento das restrições à atividade económica num país com uma das mais elevadas taxas de cobertura vacinal do mundo”, começa por dizer a entidade liderada por Nazaré Cabral.

Em março deste ano, o CFP previa um crescimento económico de 3,3% para a economia nacional (reduzindo a sua previsão inicial de 4,8%), subindo agora em 1,4 pontos a sua previsão para este ano.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Conselho das Finanças Públicas revê em alta crescimento da economia nacional para 4,7% este ano

CFP está agora mais otimista do que o Governo, Bruxelas, FMI e OCDE, mas não atinge os 4,8% previstos pelo Banco de Portugal, a entidade mais otimista sobre o desempenho da economia portuguesa para este ano.

CFP avisa que Novo Banco e TAP são riscos para as contas públicas

O Conselho também considera que existe um “risco potencialmente elevado sobre o saldo orçamental e sobre o rácio da dívida pública nos próximos anos” relacionado com as garantias do Estado às moratórias bancárias.

CFP: “Não é normal” ausência do decreto-lei de execução orçamental

“O Orçamento do Estado, como sabe, nos termos da Constituição, é anual, o que significa que tem regras de caducidade próprias”, lembrou a economista Nazaré da Costa Cabral, no parlamento.
Recomendadas

OE2022: Rangel diz que aprovação “não compete ao PSD” e aponta eventuais eleições para “fevereiro ou março”

O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel defendeu hoje que a aprovação do próximo Orçamento do Estado “não compete” ao partido e, no cenário “especulativo” de crise política, aponta eleições em fevereiro ou março como “o normal”.

Comissão Europeia relança hoje debate sobre revisão das regras orçamentais da UE

A Comissão Europeia vai hoje apresentar uma comunicação sobre governação económica na União Europeia (UE) no pós-crise da covid-19, pretendendo relançar o debate sobre revisão das regras orçamentais, suspensas até final de 2022, e apelar a investimentos ‘verdes’.

“Tivemos boas notícias na eletricidade, no preço do gás é mais difícil”, diz ministro da Economia

“Já tivemos boas notícias na eletricidade, no preço do gás é mais difícil, mas iremos continuar a trabalhar”, afirmou Siza Vieira.
Comentários