Baker Tilly lanca serviço “S+I” e reforça consultoria em cibersegurança

Numa altura em que a digitalização está a cada vez mais enraizada na sociedade e no governo das empresas, a consultora Baker Tilly lançou o “S+I” em parceria com a Multicert, empresa especializada em segurança digital, “um serviço que se destina a melhorar a segurança dos dados e governação da informação das organizações”, explicou a consultora em comunicado.

Com este serviço, as empresas poderão beneficiar de diversos sub-serviços, como a monitorização contínua dos seus sistemas de informação, através de um centro de operações de Segurança (SOC – Security Operations Center), com analistas em linha de alerta ou a recolha e tratamento de logs e eventos intrusivos numa plataforma de SIEM (Security Information and Event Management).

Além destes, as empresas que adiram a este serviço poderão ainda usufruir da análise detalhada de incidentes e decisão de reação com base em níveis de prioridade e graus de severidade, a avaliação regular de vulnerabilidades dos sistemas (Sistemas Operativos, Bases de Dados, Servidores Web,) de indicadores e notificações de ameaças (feed/threat intelligence).

“O Digital Security Monitoring Competence Center irá impulsionar e revolucionar o setor da Segurança da Informação, pois torna mais completa e abrangente a oferta Baker Tilly de consultoria em Cibersecurity. As tradicionais revisões dos Sistemas de Informação são agora complementadas com avaliações de segurança robustas, seguidas de monitorização e avaliação contínua dos eventos e resposta aos incidentes, avaliação regular das vulnerabilidades e ameaças à segurança e gestão de eventos de segurança com maior e melhor eficiência e eficácia”, explicou a Baker Tilly no comunicado.

Para José Pedro Gonçalves, partner da Baker Tilly e responsável da prática de Governance & Risk Control e Information Systems , “os inúmeros sistemas e aplicações que cada organização utiliza hoje no seu dia a dia é tão complexo, a sua documentação é pouca ou mesmo inexistente, os recursos humanos competentes são escassos, os recursos financeiros necessários são cada vez maiores, que é fundamental que recorram (…) a serviços altamente especializados, como os referidos”.

“Para além disto, o RGPD vem colocar exigências adicionais em relação à privacidade e segurança da informação, que só a Monotorização Contínua permite responder”, vincou José Pedro Gonçalves.

Já Luís Martins, Head of Cybersecurity da Multicert, esta parceria “disponibiliza serviços mais abrangentes do que apenas um SOC, com principal foco na visibilidade do ponto de vista da gestão e acompanhamento da operacionalização dos controlos técnicos e organizativos, recorrendo a mecanismos preventivos e reativos que são cada vez mais cruciais para a proteção e sucesso dos negócios das empresas”.

No próximo dia 21 de janeiro, José Pedro Gonçalves e Luís Martins vão participar na Top Management Session dedicada ao tema da governação da informação nas empresas. A conferência será nas instalações da Baker Tilly em Lisboa e onde será apresentado com mais detalhe o Monitoring Competence Center.

 

Ler mais
Relacionadas

Auditoria exige forte investimento em tecnologia e recursos humanos

A absorver o impacto da digitalização, da automação e da escassez de talento, as auditoras e consultoras apostam no desenvolvimento de novas ferramentas para cumprir as exigências do regulador.
Recomendadas

‘Caso EDP’: empresa confirma que já foi notificada pelo DCIAP para ser constituída arguida

Em comunicado, a energética portuguesa afirmou que “em linha com as notícias divulgadas na imprensa portuguesa no final do dia de ontem, a EDP foi hoje notificada pelo DCIAP de que deverá, nos próximos dias, designar um legal representante que compareça no DCIAP, a fim de ser constituída arguida”.

Nova companhia aérea de Neeleman deverá iniciar voos em 2021

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman, cuja saída da TAP foi anunciada recentemente, deverá iniciar os voos em 2021, um lançamento que foi adiado pela pandemia de Covid-19, avançou hoje a Bloomberg.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários