Banca faz subir bolsas da Europa. Lisboa acompanha

Bolsa de Lisboa em alta com forte subida da Mota-Engil de 4,46% e dos CTT de 3,05%. O BCP foi à boleia da subida da banca na Europa, e valorizou 2,14%. As EDP lideraram as perdas.

A banca liderou esta terça-feira os ganhos dos mercados de ações europeus, com destaque para a recuperação surpreendente em Espanha.

Por cá, o BCP foi à boleia e subiu 2,14% para 0,2055 euros. Isto apesar de ter sido conhecido que a Autoridade da Concorrência multou o banco liderado por Miguel Maya em 60 milhões de euros no âmbito de um processo por alegadas práticas restritivas da concorrência relativas à partilha de informação comercial sensível entre instituições de crédito nos segmentos do crédito à habitação, crédito ao consumo e crédito a empresas. O banco vai recorrer, e o prazo de recurso são 30 dias.

Mas o PSI-20, que fechou a subir 0,58% para 4.995 pontos, foi sobretudo impulsionado pelas subidas significativas da Mota-Engil (+4,46% para 2,016 euros); dos CTT que ganhou 3,05% para 2,092 euros; da Corticeira Amorim que avançou 2,74% para 9,760 euros; e da Navigator que ganhou 2,41% para 3,236 euros. A Altri fechou em alta de 1,58% para 6,1 euros.

Em contraste a EDP Renováveis caiu 2,37% para 9,9 euros. A EDP desceu 0,55% ara 3,457 euros. A congénere francesa EDF tombou mais de 7%.

De acordo com a Reuters, a austríaca Verbund estará a dar os primeiros passos para fazer uma oferta no âmbito do processo de venda de ativos hidroelétricos por parte da EDP, uma operação que faz parte do plano estratégico da empresa apresentado em março. A Verbund não confirmou esta notícia.

António Mexia já tinha admitido que a compra dos ativos de energia hidroelétrica da EDP estava a gerar “forte interesse do mercado”.

Em Wall Street, nesta altura, as tecnológicas lideram o movimento de correção. “O mercado nacional operou em terreno positivo, já que o setor tecnológico, cujo desempenho na Europa e nos EUA foi negativo, tem muito pouco no índice PSI20”, explicou por sua vez o analista do BPI.

A sessão acabou por ser de ganhos para a maioria dos índices europeus, com a Banca em bom plano.

As bolsas europeias seguem em baixa, no dia em que o setor da Banca está em foco depois de projeções do Citigroup e Deutsche Bank e especialmente após o alerta do Tribunal de Justiça Europeu relativamente às taxas de indexação praticadas pela Banca espanhola. Os bancos mais expostos à decisão são Caixabank, Santander, BBVA e Bankia.

O Santander disparou 2,88%; o CaixaBank 2,63%; o BBVA 2,04% e o Bankia 1,53%.

Com isto o IBEX fechou a subir 0,75% para 9.078,2 pontos.

Segundo o analista do BCP, Ramiro Loureiro, “o setor em Espanha esteve em evidência após o alerta do Tribunal de Justiça Europeu relativamente às taxas de indexação praticadas, o que levou cotadas como o CaixaBank e Bankia a tombarem mais de 5% durante o dia, mas as dúvidas dos analistas quanto à aplicação do alerta trouxe os títulos para ganhos”.

O analista do Millennium BCP Investimento disse ainda que o setor petrolífero também esteve animado, “puxado pelos preços do ouro negro, numa semana em que a OPEP e os seus parceiros se reúnem para discutirem o equilíbrio do mercado”.

Notas de imprensa apontam para uma queda das reservas de crude durante a semana passada, o que ajudou a suportar a matéria-prima.

No Reino Unido nova derrota para Boris Johnson depois do Parlamento ter rejeitado novamente a marcação de eleições antecipadas. O Parlamento vai ficar suspenso durante cinco semanas até ao dia 14 de outubro. O FTSE 100 subiu 0,44% para 7.268 pontos.

O EuroStoxx 50 avançou 0,11% para 3.499 pontos.

O CAC 40 subiu 0,08% para 5.593,2 pontos e o alemão DAX ganhou 0,35% para 12.268,7 pontos.

Em contra-ciclo o FTSE MIB recuou 0,55% para 21.869 pontos. Em Itália, o governo está a enfrentar um voto de confiança por parte do Senado, sendo que o resultado deverá ser conhecido na próxima hora. O índice italiano acabou por divergir da restante Europa.

Em termos macroeconómicos a produção industrial francesa apresentou uma queda inesperada. A produção industrial em França contraiu 0,2% em termos homólogos. Os analistas esperavam uma subida de 0,5%.

Segundo a EIA, em agosto de 2019, a média da cotação internacional do petróleo Brent foi de 59,04 dólares por barril, o que representa uma diminuição, em termos homólogos, de 18,6%.

O Brent sobe 0,19% para 62,71 dólares.

No mercado de dívida soberana, a dívida alemã a 10 anos que está com juros negativos de -0,547% viu esses juros subirem 3,8 pontos base. A dívida portuguesa agravou 3,8 pontos base para 0,281% e a espanhola também sobe, mas 4,1 pontos base para 0,259%. Itália subiu 7,7 pontos base para 1,021%.

O euro perdeu 0,04% para 1,1044 dólares.

 

Ler mais
Recomendadas

Sonae SGPS e BCP impulsionam PSI 20 no fecho da sessão

Praça lisboeta fechou a sessão desta quinta-feira com uma subida de 0,96% para 5.093,92 pontos, seguindo a tendências das suas congéneres europeias.

Recompra de ações da Microsoft entusiasma Wall Street

No início da sessão, desta quinta-feira, o S&P 500 cresce 1,10%, para 2.919,80 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 1,42%, para 7.968,83 pontos e o industrial Dow Jones sobe 1,15%, para 26.335,93 pontos.

Banco de Inglaterra diz que alterações futuras às taxas de juro dependem do tipo de Brexit

O Banco de Inglaterra manteve a taxa de juro inalterada em 0,75% e faz depender as mexidas na forma como o Brexit vier a ocorrer. No caso de um Brexit duro, o banco central admite que a taxa de juro vai “provavelmente descer”. Mas, no caso de uma saída da União Europeia ordenada, poderá aumentar as taxas de juro “a um ritmo gradual e até a um determinado limite”.
Comentários