Banca portuguesa não segue BBVA no financiamento a 100% da casa

Nos bancos portugueses, só o Novo Banco, para além da hipoteca normal, financia 100% do valor do imóvel, mas só se houver uma segunda hipoteca como garantia. Mas no geral, os créditos à habitação costumam representar entre 60% a 80% do valor do imóvel. O BBVA já oferece mais de 100% do valor do imóvel.

Cristina Bernardo

Ao contrário do que já está a acontecer em Espanha, com o BBVA, em Portugal, quando alguém recorre ao crédito à habitação, nenhuma instituição bancária lhe irá conceder a totalidade do valor da casa.

Tal como noticiado há uns dias, o BBVA, na sua estratégia de atrair clientes tem promovido a comercialização de hipotecas que cobrem 100% do valor do imóvel, ou mesmo mais de 100% do valor da avaliação da casa. Desta forma, torna-se o primeiro banco que oferece estas condições na Península Ibérica.

Fomos perguntar aos bancos portugueses se tinham políticas de crédito semelhantes, mas no geral os créditos à habitação costumam representar entre 60% a 80% do valor do imóvel, o que significa que o cliente tem de “dar uma entrada” para a compra da casa, ou seja, pagar a restante percentagem necessária para o pagamento do imóvel.

O BCP disse que “estamos a fazer até 80% de LTV”. O Loan-to-Value (LTV) é um rácio (“rácio financiamento garantia”) que corresponde à percentagem a ser pedida aos bancos relativamente ao valor do imóvel. Antigamente, havia LTVs de 120%, atualmente, em regra os bancos definem a percentagem máxima do LTV entre 60% a 80% do valor de avaliação do imóvel. O LTV é a percentagem resultante da fração Montante do Empréstimo/Valor da Garantia.

Por sua vez a Caixa Geral de Depósitos está apenas a conceder 100% de crédito para imóveis vendidos pela própria Caixa (os imóveis em carteira recebidos por incumprimento de crédito). Para os restantes créditos o máximo de LTV é de 90%.

Por seu turno, o Banco Santander Portugal diz que o máximo de rácio financiamento/garantia que pratica é 85%. “O Santander Portugal não tem qualquer intenção de alterar a sua política atual na concessão de crédito, o que aliás, a acontecer, contrariaria recentes recomendações do Banco de Portugal”, revela o banco liderado por António Vieira Monteiro.

O mesmo se passa com o BPI, detido pelo CaixaBank. O banco liderado por Pablo Forero tem como limite um rácio LTV de 80%.

Também o Bankinter responde que dá crédito até um limite de 80% de LTV.

O Novo Banco também tem como limite de financiamentos os 80% do valor da avaliação. Mas tem uma versão relativamente diferente dos seus concorrentes: o banco liderado por António Ramalho tem soluções de financiamento destinadas a clientes que pretendem financiamento até 100% do valor da habitação mas que, não tendo recursos financeiro para dar de entrada, têm uma 2ª habitação que possibilita o reforço da garantia. “Destina-se a a habitação própria permanente, secundária ou arrendamento, com prazo até aos 40 anos (desde que a idade dos titulares não ultrapasse os 75 anos no final do empréstimo). Spreads desde 1,5%”, lê-se no site.  Para estrangeiros não residentes o limite é de 90% do valor de avaliação.

Segundo uma notícia recente do El Economista o primeiro banco que oferece o financiamento a 100% para a primeira habitação é o BBVA.

Esta oferta aplica-se tanto a hipotecas de taxa variável como de fixa. No segundo caso, hipotecas que são encorajadas pelas expectativas de um aumento do preço do dinheiro a partir de 2019, o BBVA oferece Euribor mais um spread de 0,99%, exceto no primeiro ano, se o chamado LTV for inferior a 80%. Se essa percentagem for maior, o spread aumenta para 1,25%. O banco também admite que possam ser encontradas soluções, caso o cliente necessite de um empréstimo maior para a compra de casa, que poderia ser instrumentalizado através da assinatura de um crédito ao consumo ou empréstimo pessoal.

Essa maior flexibilidade na política de concessão de crédito leva, no entanto, a condições de associação mais exigentes. Os clientes, para poderem aceder às vantagens do empréstimo, devem ter contratado não apenas o débito direto da folha de pagamento ou pensão, mas devem ter um seguro de vida, outro de casa e um plano de pensões com uma contribuição anual mínima de 600 euros. No caso de o LTV exceder 100%, o banco poderá exigir garantias adicionais ao apartamento hipotecado, a fim de garantir a recuperação do valor concedido, relata o El Economista.

Ler mais

Relacionadas

Prestações da casa praticamente inalteradas em abril

Uma vez que as taxas Euribor têm variado pouco as prestações bancárias têm-se mantido praticamente inalteradas.

Valor médio de avaliação bancária aproxima-se de máximos de abril de 2011

Segundo o Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação do INE, o valor médio da avaliação bancária realizada no âmbito da concessão de crédito à habitação aumentou sete euros em fevereiro, face a janeiro, aproximando-se do valor máximo da atual série observado em abril de 2011 (1.156 euros/m2).

Euribor negativa pode vir a dar descontos nos empréstimos à habitação

O Partido Socialista (PS) está disponível para viabilizar a proposta apresentada pelo Bloco de Esquerda (BE) há quase dois anos, mas a proposta só terá efeitos reais nos créditos contratados antes da crise.

BBVA é o primeiro banco da Península Ibérica a voltar a dar crédito para 100% do imóvel

O banco espanhol deu um passo na sua estratégia de atrair clientes e nas últimas semanas tem promovido a comercialização de hipotecas que cobrem 100% do valor do imóvel, ou mesmo mais de 100% do valor da avaliação da casa.
Recomendadas

Mais de 10 mil pessoas protegidas pelo seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali

O produto destina-se a empresas que pretendem proteger os trabalhadores, sobretudo as que continuam em atividade nos seus edifícios e o risco de infeção é superior. Lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e garante um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização por esta doença.

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.

Empresas vão receber 150 milhões de euros do Novo Banco nos próximos dias ao abrigo da linha capitalizar Covid-19

O banco liderado por António Ramalho referiu, em comunicado, que os primeiros 150 milhões de euros que serão concedidos às empresas que são clientes da instituição financeira já têm os respectivos processos “em fase final de assinatura digital”.
Comentários