Banca surpreendeu investidores e dinamizou praças europeias. BCP foi ‘estrela’ no PSI 20

Na sessão de hoje, manteve-se a suspensão da negociação das ações da Cofina e da Media Capital em virtude das informações que visam o avanço das negociações exclusivas entre a Cofina e a Prisa para a compra da Media Capital.

Cristina Bernardo

O PSI 20 fechou esta semana a negociar em terreno positivo, seguindo a tendência dos pares europeus. Depois de fortes perdas registadas durante os último dias, o BCP terminou a semana da melhor forma com valorizações robustas. A bolsa de Lisboa encerrou com uma subida de 1,82% no índice PSI20 para 4.804,19 pontos, o maior ganho desde janeiro, apoiado por uma valorização de 5,51% do BCP.

Em forte alta estiveram também as ações da Mota-Engil e da Navigator, empresas que têm sido prejudicadas pela incerteza relativa à conjuntura económica global.

Quando à Galp apresentou um ligeiro ganho, praticamente em linha com o comportamento do preço do petróleo nos mercados internacionais.

Na sessão de hoje, manteve-se a suspensão da negociação das ações da Cofina e da Media Capital em virtude das informações que visam o avanço das negociações exclusivas entre a Cofina e a Prisa para a compra da Media Capital.

“Foi uma sexta-feira bastante positiva para as praças europeias, com o setor da banca a viver uma sessão surpreendente. Depois de durante a manhã ter sentido um momento de pressão, com queda repentina, sem qualquer flow a justificar o movimento, o setor foi ganhando ânimo e encerrou com ganhos expressivos, liderando as valorizações no Stoxx 600. A nota divulgada pela revista Der Spigel de que a chanceler alemã e o ministro das finanças germânico estarão abertos a um incremento da dívida caso sejam necessários novos estímulos económicos está a ser bem recebida pelos investidores”, destacou Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium investment banking.

“Por cá as ações do BCP chegaram a afundar mais de 5% às 10h55m mas encerraram a ganhar mais de 5%, o que significa que um investidor que adquiriu títulos junto aos mínimos da sessão acabou por ver a sua posição valorizar mais de 10% até ao fecho do mercado”, destacou o mesmo analista.

A subida de 1,82% foi a mais acentuada do PSI20 desde 04 janeiro e das 18 cotadas que integram o índice, 16 ficaram em terreno positivo e duas desceram. O BCP, que liderou as subidas, ficou a valer 0,21 euros por ação.

Nas principais subidas, a Mota-Engil ganhou 4,44% para 1,86 euros, a Navigator somou 2,73% para 2,93 euros, a Sonae SGPS subiu 2,54% para 0,81 euros e a Jerónimo Martins avançou 2,26% para 14,47 euros.

A Semapa ganhou 2,09% para 11,70 euros, a EDP registou uma valorização de 1,49% para 3,35 euros, os CTT subiram 0,99% para 1,84 euros e a Galp melhorou 0,16% para 12,52 euros.

Em terreno positivo ficaram ainda a Altri (5,51 euros), a Ramada Investimentos (6,22 euros), a NOS (5,45 euros), a REN (2,49 euros), a Sonae Capital (0,63 euros), a Corticeira Amorim (9,07 euros) e a EDP Renováveis (9,24 euros).

Nas descidas, a Pharol caiu 2,28% para 0,12 euros e a Ibersol perdeu 1,93% para 8,14 euros.

No resto da Europa, o dia também foi positivo. Madrid subiu 1,78%, Frankfurt 1,31%, Paris 1,22% e Londres 0,71%, com os mercados a recuperarem das quedas dos últimos dias no final de uma semana instável nos mercados.

Ler mais
Recomendadas

Ataques na Arábia Saudita fazem Dow Jones quebrar oito dias de ganhos

Os títulos das transportadoras aéreas JetBlue Airways (-3,05%, para 16,86 dólares), da United Airlines (-2,84%, para 88,76 dólares) e da American Airlines (-7,28%, para 27,27 dólares) reagiram em baixa à notícias dos ataques à petrolífera saudita.

Galp à boleia da escalada do petróleo põe PSI 20 em alta em contra-ciclo

A bolsa portuguesa encerrou o dia em alta em linha com a Europa. O petróleo foi a estrela da sessão. A justificar esteve o ataque a duas instalações petrolíferas na Arábia Saudita por drones, o que fez reduzir a capacidade de produção para menos de metade.

Respostas Rápidas: combustíveis em Portugal vão aumentar com a subida dos preços do petróleo?

Não haverá nenhuma crise de abastecimento, não vai faltar petróleo no mercado, mas é óbvio que isto causa nervosismo nos mercados financeiros e era natural que houvesse uma subida de preços hoje”, disse o hoje o secretário-geral da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas.
Comentários