Banca surpreendeu investidores e dinamizou praças europeias. BCP foi ‘estrela’ no PSI 20

Na sessão de hoje, manteve-se a suspensão da negociação das ações da Cofina e da Media Capital em virtude das informações que visam o avanço das negociações exclusivas entre a Cofina e a Prisa para a compra da Media Capital.

Cristina Bernardo

O PSI 20 fechou esta semana a negociar em terreno positivo, seguindo a tendência dos pares europeus. Depois de fortes perdas registadas durante os último dias, o BCP terminou a semana da melhor forma com valorizações robustas. A bolsa de Lisboa encerrou com uma subida de 1,82% no índice PSI20 para 4.804,19 pontos, o maior ganho desde janeiro, apoiado por uma valorização de 5,51% do BCP.

Em forte alta estiveram também as ações da Mota-Engil e da Navigator, empresas que têm sido prejudicadas pela incerteza relativa à conjuntura económica global.

Quando à Galp apresentou um ligeiro ganho, praticamente em linha com o comportamento do preço do petróleo nos mercados internacionais.

Na sessão de hoje, manteve-se a suspensão da negociação das ações da Cofina e da Media Capital em virtude das informações que visam o avanço das negociações exclusivas entre a Cofina e a Prisa para a compra da Media Capital.

“Foi uma sexta-feira bastante positiva para as praças europeias, com o setor da banca a viver uma sessão surpreendente. Depois de durante a manhã ter sentido um momento de pressão, com queda repentina, sem qualquer flow a justificar o movimento, o setor foi ganhando ânimo e encerrou com ganhos expressivos, liderando as valorizações no Stoxx 600. A nota divulgada pela revista Der Spigel de que a chanceler alemã e o ministro das finanças germânico estarão abertos a um incremento da dívida caso sejam necessários novos estímulos económicos está a ser bem recebida pelos investidores”, destacou Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millennium investment banking.

“Por cá as ações do BCP chegaram a afundar mais de 5% às 10h55m mas encerraram a ganhar mais de 5%, o que significa que um investidor que adquiriu títulos junto aos mínimos da sessão acabou por ver a sua posição valorizar mais de 10% até ao fecho do mercado”, destacou o mesmo analista.

A subida de 1,82% foi a mais acentuada do PSI20 desde 04 janeiro e das 18 cotadas que integram o índice, 16 ficaram em terreno positivo e duas desceram. O BCP, que liderou as subidas, ficou a valer 0,21 euros por ação.

Nas principais subidas, a Mota-Engil ganhou 4,44% para 1,86 euros, a Navigator somou 2,73% para 2,93 euros, a Sonae SGPS subiu 2,54% para 0,81 euros e a Jerónimo Martins avançou 2,26% para 14,47 euros.

A Semapa ganhou 2,09% para 11,70 euros, a EDP registou uma valorização de 1,49% para 3,35 euros, os CTT subiram 0,99% para 1,84 euros e a Galp melhorou 0,16% para 12,52 euros.

Em terreno positivo ficaram ainda a Altri (5,51 euros), a Ramada Investimentos (6,22 euros), a NOS (5,45 euros), a REN (2,49 euros), a Sonae Capital (0,63 euros), a Corticeira Amorim (9,07 euros) e a EDP Renováveis (9,24 euros).

Nas descidas, a Pharol caiu 2,28% para 0,12 euros e a Ibersol perdeu 1,93% para 8,14 euros.

No resto da Europa, o dia também foi positivo. Madrid subiu 1,78%, Frankfurt 1,31%, Paris 1,22% e Londres 0,71%, com os mercados a recuperarem das quedas dos últimos dias no final de uma semana instável nos mercados.

Ler mais

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha em queda apesar da subida das papeleiras

A pressionar o mercado estiveram, entre outras, as ações do BCP, da NOS e da Jerónimo Martins. Na Europa o verde dominou os mercados ajudados pelos novos inputs sobre a guerra comercial, que sinalizam uma aproximação entre os EUA e a China para fecharem o acordo de “fase um”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Bolsa de Nova Iorque abre em alta. Farfetch dispara 30% após divulgar resultados

A empresa de ‘e-commerce’, liderada pelo português José Neves, viu o seu prejuízo aumentar 10,6% face ao período homólogo, para 86,5 milhões de dólares, mas teve um disparo de 90% nas receitas (255,5 milhões de dólares).
Comentários