Banco BiG adquire corretora DIF Broker

O Banco adquire 100% da DiF. Esta aquisição “permitirá ao BiG reforçar as suas competências na área da corretagem e acelerar o seu plano de crescimento da atividade de Wealth Management internacional”, diz o banco liderado por Mário Bolota.

O BiG vai integrar a DIF Broker, que tem mais de 290 milhões de euros de ativos sob supervisão, anunciou o banco em comunicado.

Esta aquisição “permitirá ao BiG reforçar as suas competências na área da corretagem e acelerar o seu plano de crescimento da atividade de Wealth Management internacional”, diz o banco fundado por Carlos Rodrigues.

O valor do negócio não foi divulgado.

No âmbito da sua estratégia de crescimento no mercado ibérico e após o lançamento da atividade de Wealth Management em Espanha em novembro do ano passado, o BiG – Banco de Investimento Global adquiriu a sociedade financeira de corretagem DIF Broker, uma entidade dedicada à intermediação financeira em Espanha, Portugal e Polónia, com mais de 20 anos de atividade.

O Banco adquire 100% do negócio europeu, com o objetivo de reforçar o seu posicionamento ibérico como banco especializado, apoiando os aforradores e investidores, portugueses e espanhóis, na concretização dos seus objetivos financeiros.

Mário Bolota (CEO do BiG) diz em comunicado que “com esta operação o BiG reforça as soluções de investimento  intermediação financeira, acelerando o seu crescimento no mercado ibérico e escalando os serviços de Wealth Management “.

Já Pedro Lino (CEO da DIF Broker) explica na mesma nota que “a incorporação num grupo bancário sólido e especializado em soluções de poupança e investimento permitirá à DIF Broker alavancar as suas competências na área da corretagem e disponibilizar aos seus clientes um conjunto mais alargado de produtos e serviços financeiros”.

“Fundado há mais de 22 anos, o BiG – Banco de Investimento Global, com 5.200 milhões de ativos sob supervisão de Clientes, é uma instituição pioneira na banca digital em Portugal, com elevada solidez financeira, traduzida em robustos rácios de capital e liquidez.

Recomendadas

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Impacto do fim das moratórias na banca será menor que esperado, diz CEO da CGD

“O final das moratórias afetará muitas empresas e muitos particulares – por exemplo no caso da CGD houve mais de 2.000 pessoas que nos pediram para restruturar os seus créditos e, portanto, restruturámo-los -, mas em termos macroeconómicos diria não se espera que o fim das moratórias cause um problema nos bancos, como estava dito, ou cause um problema enorme”, disse Paulo Macedo.

Moody’s melhora rating de seis bancos portugueses

A Moody’s realizou hoje ações de rating em seis grupos bancários portugueses – CGD, BCP, Santander, Novo Banco, BPI e Crédito Agrícola. A agência elevou as classificações de depósito de longo prazo de quatro bancos e a classificação de dívida sénior sem garantia (unsecured) de um banco. Também mudou a perspectiva dos ratings de depósito de longo prazo de três bancos e dos ratings de dívida sénior não garantida de um banco.
Comentários