Banco central chinês injeta mais 85 mil milhões de euros no sistema financeiro

Banco Popular da China quer repor a “liquidez depois de um período de ajuste marcado pelo emissão de obrigações a nível nacional e local”.

O Banco Popular da China (BPC) injetou esta segunda-feira 700 mil milhões de yuans (cerca de 85.034 milhões de euros) no sistema financeiro do país através de empréstimos a médio prazo (MLF, na sigla anglo saxónica). A taxa de juro dos empréstimos foi de 2,95%, a mesma da última emissão destes instrumentos, anunciou o banco central chinês  em comunicado divulgado pelas agências noticiosas internacionais.

Além da injeção de capital, o BPC emitiu 50 mil milhões de yuans (aproximadamente 6,08 mil milhões de euros) em acordos de recompra a sete dias, com uma taxa de juro de 2,2%.

O objetivo do BPC é “atender à procura do mercado”, enquanto especialistas. citados pela Efe, explicam que o supervisor bancário quer repor a “liquidez depois de um período de ajuste marcado pelo emissão de obrigações a nível nacional e local”. Assim, a operações ocorrem numa tentativa de aliviar a pressão das entidades bancárias com novos empréstimos ou flexibilização dos pagamentos de créditos existentes ou através de apoios às empresas cuja viabilidade foi ameaçada pela crise da Covid-19.

A decisão do BPC surge num momento em que o modelo económico-político da China está a ser questionado e apontado como “desatualizado”, relata o jornal “South China Morning Post”. No entanto, o presidente da China, Xi Jinping, rejeita as alegações e garantiu ao “Qiushi” que “a base da economia política da China só pode ser uma economia política marxista, e não ser baseada em outras teorias económicas”.

Xi Jinping também acredita que “a China não deve tentar copiar a ideologia ocidental ou o seu sistema capitalista” e frisou que “muitos países capitalistas sofreram crises económicas, problemas de desemprego, aumento da polarização e aprofundamento de conflitos sociais” devido aos sistemas económicos adotados por cada país.

Relacionadas

Economia no Japão cai 27,8% no segundo trimestre

É a maior queda de sempre. A contração no segundo trimestre do ano segue-se a uma redução de 0,6% entre janeiro e março, quando a terceira maior economia do mundo entrou em recessão técnica devido à pandemia.

China aprova patente para vacina

Os resultados da segunda fase de testes clínicos mostraram que é segura e induz uma resposta imune contra o novo coronavírus. Segundo a imprensa local, pode “ser produzida em massa num curto período de tempo”.
Recomendadas

Atividade industrial catalisa dia de ganhos na Europa. PSI-20 acompanha em alta

O principal índice bolsista português fechou a sessão desta segunda-feira a subir 1,85% para 4,789.11 pontos, à semelhança das congéneres europeias, perante a estabilidade nas ‘yields’ da dívida soberana nos EUA, cuja subida pressionou o sentimento na semana passada.

Volatilidade nas criptomoedas. Bitcoin sobe 9% depois de ficar abaixo dos 43 mil dólares

A moeda digital atingiu o seu recorde máximo no passado dia 21 de fevereiro, tendo-se fixado em 58.350 dólares.

Wall Street abre em alta com regresso à calma nos juros soberanos

Wall Street abre assim com ganhos à medida que o mercado de títulos acalma. Nos últimos dias os juros da dívida pública disparam com medo da inflação, devido a alguns indicadores.
Comentários