Banco de Cabo Verde altera estrutura das taxas de juro para estimular crédito e economia

Segundo o banco central cabo-verdiano, a redução da taxa de facilidade permanentes de cedência de liquidez em 1,5 p.p. poderá ainda resultar, caso tudo o resto se mantenha constante, “num aumento marginal do crédito à economia em 2019 e 2020 e mais significativo em 2021”.

O Banco de Cabo Verde (BVC) baixou a taxa da facilitação permanecente de cedência de liquidez de 4,5 para 3%. A redução substancial vai obrigar os bancos comerciais a baixar as taxas de juros aplicadas nos créditos a serem concedidos a partir de agora.

Com esta redução de 1,5 pontos percentuais (p.p.) na taxa de cedência de liquidez, os bancos comerciais também terão de baixar, nesta proporção, os financiamentos concedidos a taxas variáveis, se indexadas à TCL (Taxa de Cedência de Liquidez). Outras taxas como, redesconto e a diretora, não sofreram alterações.

Emo comunicado, o BVC explica que as medidas adotadas visam “aprimorar o quadro operacional da política monetária do BCV, reforçando o canal de juros, assumindo-se como uma medida de caráter essencialmente técnico, com vista ao aperfeiçoamento do mecanismo de transmissão monetária, mas que tem o potencial de reforçar a orientação da política monetária para um maior estímulo ao crédito e ao crescimento económico.”

Segundo o banco central cabo-verdiano, a redução da taxa de facilidade permanentes de cedência de liquidez em 1,5 p.p. poderá ainda resultar, caso tudo o resto se mantenha constante, “num aumento marginal do crédito à economia em 2019 e 2020 e mais significativo em 2021”.

No entanto, o BVC salienta que que os impactos almejados destas medidas serão melhor sucedidos se combinados com a implementação eficaz de outras medidas de política económica de caráter estrutural, visando o aperfeiçoamento do canal do crédito, enquanto canal transmissor dos impactos da política monetária.

Na mesma nota, o BCV recorda que, no âmbito do seu quadro operacional de política monetária, tem vindo a implementar, desde maio de 2013, medidas com “o objetivo de estimular a procura interna, em particular o financiamento bancário de projetos viáveis, e melhorar o mecanismo de transmissão monetária, num contexto de excesso estrutural de liquidez bancária”.

Estas normas, de acordo com BCV, contribuíram “para reduzir as taxas ativas e passivas aplicadas nas operações bancárias, mais acentuadas e contínuas para as taxas passivas, bem como para alguma recuperação do crédito ao sector privado”.

O último pacote de medidas de política monetária apresentado pelo banco central de Cabo Verde remonta a junho de 2017 e resultou numa descida mais consistente das taxas passivas do que das ativas.

Ler mais
Recomendadas

Comunidade Económica da África Ocidental quer moeda única em 2020

Os 15 países da CEDEAO reafirmaram esta segunda-feira, em Abidjan, o objetivo de lançar uma moeda única em 2020, apesar dos “desafios” deste projeto pensado há 30 anos.

Cabo Verde Fast Ferry aumenta viagens na época festiva

A partir desta segunda-feira, o navio Kriola faz viagens todos os dias, sendo na segunda Brava – Fogo – Praia e vice – versa.

Portugal pode ajudar em alternativas à eletrocussão de cães vadios em Cabo Verde

O vereador considera que o problema do excesso de cães na cidade da Praia não se resolve com o abate, mas reconhece que a medida tem de ser determinada sempre que “a quantidade de cães ultrapassa o equilíbrio”.
Comentários