PremiumBanco gerido por portugueses apoia Mota-Engil na Costa do Marfim

A construtora é o maior investidor nacional no país africano, que volta a ter uma embaixada portuguesa, e tem apoio do BDA, liderado por Vasco Duarte Silva.

Um banco gerido por portugueses na Costa do Marfim está a apoiar a Mota-Engil, maior empresa portuguesa a investir no país. É o Banco de Abidjan (BDA), que foi fundado em 2017 pela holding BDK Financial Group (BDK FG) – especialista na região da UEMOA (União Económica e Monetária da África do Oeste) – e que tem na sua liderança Vasco Duarte Silva.

O tema assume especial relevância depois da visita do Presidente da República, na qual anunciou que Portugal vai reabrir a embaixada em 2020. Este é um dos países africanos em que o Governo português aposta para internacionalizar a economia, segundo disse à Lusa o secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, que acompanhou Marcelo Rebelo de Sousa na visita.

“O BDA quer ser o parceiro de referência das empresas portuguesas na Costa do Marfim, através da larga experiência e relações da equipa de gestão de Lisboa”, explicou ao Jornal Económico Vasco Duarte Silva.  O Jornal Económico sabe que o banco de Abidjan está a apoiar a Mota-Engil nos seus investimentos na Costa do Marfim. A Mota-Engil é a empresa portuguesa com maior presença na região.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.

BdP: empréstimos às empresas cresceram em outubro

Já quanto aos empréstimos a particulares, o BdP diz ter registado uma variação de 6,9% em outubro, quando em setembro registara uma taxa de variação de 7,2%.

BCE mantém as exigências de capital ao BPI para 2020

Aí estão os requisitos de capital que o BCE impõe ao BPI para 2020 em função da qualidade do seu balanço. Estes requisitos implicam que o patamar mínimo de CET1 a partir do qual o Banco BPI teria restrições, em 2020, às distribuições de dividendos, é de 9.38%. O BPI tem um rácio de capital core de 12,7% a 30 de setembro deste ano.
Comentários