Banco Interatlântico deverá ser cada vez mais virado para o exterior, diz Paulo Macedo

Presidente da Caixa Geral de Depósitos assegurou que a venda do BCA permite a manutenção dos postos de trabalho e as garantias dos depositantes.

Cristina Bernardo

O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Paulo Macedo, assegurou que a instituição irá manter uma “forte presença” no setor bancário de Cabo Verde, apesar da venda da participação do Banco Comercial do Atlântico (BCA).

Em conferência de imprensa, esta sexta-feira, na Cidade da Praia, Paulo Macedo anunciou, após uma audiência com o Primeiro-Ministro caboverdiano, Ulisses Correia e Silva, depois de ter mantido encontros com o Vice Primeiro Ministro e Ministro das Finanças, Olavo Correia, e com o Governador do Banco de Cabo Verde, João Serra, que o banco português irá vender a participação que detém no caboverdiano BCA, mantendo a posição que detém no Banco Interatlântico (BI).

“ A CGD entendeu manter a sua presença no BI por ser um banco virado para as empresas, que queremos que esteja cada vez mais virado para fora, enquanto que o BCA é um banco pujante, mas mais virado para a generalidade da economia cabo-verdiana e mais para dentro”, disse o Presidente da CGD.

O presidente da CGD explicou que a decisão de venda da participação no BCA, e não a opção de fusão dos dois bancos, que no passado chegou a estar sobre a mesa, foi tomada com a preocupação de manter os postos de trabalho.

“É uma opção serena e tranquila que mantém os postos de trabalho que assegura todas as garantias aos depositantes e que apenas será efetuada caso as autoridades aceitem o eventual comprador. O Banco Central terá um papel fundamental para que a futura instituição que vier ser escolhida, num processo transparente como tem sido em todos os que fizemos, seja avaliado de forma positiva para o desenvolvimento do sistema financeiro”, referiu.

Paulo Macedo preferiu não adiantar quem são os possíveis compradores das ações da CGD no BCA, mas referiu que o encaixe financeiro dependerá do mercado e do conjunto de interessados e que o processo está apenas a começar.

Depois dos encontros mantidos com as autoridades, Paulo Macedo explicou que serão iniciados os passos para a venda do BCA, nomeadamente a avaliação, escolha dos auditores e das sociedades de advogados.

“Quero reafirmar o compromisso da CGD e do seu acionista com a economia local e com o seu desenvolvimento, entendemos que para além deste compromisso assumido o próprio sistema financeiro poderá ser potencializado, uma vez que mantendo a Caixa apenas num dos bancos irá desenvolve-lo e dar-lhe melhor apoio e se houver um outro acionista no outro Banco, com novas ideias com novas dinamização o próprio sistema será reforçado”, afirmou.

A Caixa Geral de Depósitos tem uma participação maioritária em ambos os bancos. Em 2000, em parceria com o Banco Interatlântico, adquiriu 52,5% do capital do BCA, enquanto no Banco Interatlântico a participação é de 70%. Os dois bancos, BCA e BI, em conjunto, têm mais de 50% da quota do mercado cabo-verdiano.

A decisão de alienar um destes bancos foi anunciada por Paulo Macedo em julho deste ano, nesta altura o presidente da CGD anunciou que o assunto foi acordado com a Comissão Europeia.

Ler mais
Relacionadas

CGD vai alienar participação num dos dois bancos do grupo em Cabo Verde até 2020

Caixa Geral de Depósitos vai proceder à alienação da sua participação acionista no Banco Comercial do Atlântico.

CGD vai vender participação no cabo-verdiano Banco Comercial do Atlântico

Paulo Macedo fez este anúncio em declarações aos jornalistas no final de um encontro com o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva.
Recomendadas

Deutsche Bank terá emprestado 2 mil milhões de dólares a Donald Trump durante 20 anos

Antes de ser eleito, foram concedidos pelo banco alemão empréstimos no valor 2 mil milhões de dólares a Donald Trump. O relatório do ”New York Times” avança que estas cedências foram feitas num espaço de duas décadas.

Rui Rio diz que auditoria ao Novo Banco deve incluir atual gestão

Presidente do PSD ressalvou que incluir a atual gestão do Novo Banco na auditoria “não quer dizer que haja desconfianças” sobre a forma como a instituição está a ser gerida. Mas que os contribuintes portugueses “exigem uma clarificação”.

Serralves e Gulbenkian no mapa cultural do Bankinter

Fundador de Serralves desde 2019, o Bankinter anuncia também o apoio à exposição “Cérebro, mais vasto que o céu”, organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian.
Comentários