Banco Mundial vai reforçar financiamento nos países africanos da CPLP

O Banco Mundial vai reforçar o investimento em todos os países africanos membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, disse a vice-presidente de Políticas de Operações e Serviços de País daquela instituição, Manuela Ferro.

O Banco Mundial vai reforçar o investimento em todos os países africanos membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), disse a vice-presidente de Políticas de Operações e Serviços de País daquela instituição, Manuela Ferro.

Em todos os países [africanos] da CPLP iremos reforçar o financiamento”, afirmou, em entrevista à Lusa, a economista do Banco Mundial, instituição na qual supervisiona as políticas corporativas em matéria de financiamento e serviços analíticos, embora sem especificar o valor.

Segundo a responsável portuguesa, o Banco Mundial tem registado nos últimos tempos “um grande aumento de procura por financiamentos, tanto da parte dos bancos que emprestam a taxas de juro muito baixas nos países mais pobres, como também tem tido muita procura da parte de países que estão, em termos de desenvolvimento, entre os 1.500 dólares per capita até aos 7.000 ou 8.000 dólares per capita”.

Isto porque há na verdade um aumento de taxas de juro ao nível global e as necessidades são enormes, principalmente em África, e nos países da CPLP também”, disse no domingo.

O valor do portfólio de projetos do Banco Mundial nos países africanos da CPLP é “bastante alto, à volta dos 10 mil milhões de dólares [8,79 mil milhões de euros] em implementação”, revelou. No entanto, acrescentou, se se incluísse o Brasil, este valor duplicaria.

“Em termos de procura, temos programas bastante grandes em Moçambique, programas a crescerem muito em Angola, muito trabalho em Angola, porque estamos a tentar apoiar as reformas que estão a ser feitas (…), que são numa série de áreas importantes”, exemplificou.

No caso de São Tomé e Príncipe, “os volumes não são altos, mas o impacto potencial é muito elevado”. A responsável acrescentou que o Banco Mundial trabalha nestes países em parceria com o Governo português “em várias atividades, nomeadamente na educação”.

Em termos globais, objetivo é “potenciar o apoio a projetos de água e saneamento, que são importantíssimos para a saúde das crianças e para o desenvolvimento humano em muitos desses países da CPLP”, realçou.

Sobre perspetivas económicas para os Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, onde se registaram recentemente mudanças de lideranças (Angola, Brasil, São Tomé, Timor-Leste e a instabilidade na Guiné- Bissau), Manuela Ferro, considerou que “os fatores económicos resultam de dois vetores: condições globais e condições locais”.

Ler mais
Recomendadas

Teixeira dos Santos: “Não tenho razões para me arrepender” da escolha de Carlos Santos Ferreira e Armando Vara

O Estado “nunca interferiu em qualquer operação” da Caixa Geral de Depósitos, garantiu ainda o ex-ministro das Finanças, na última comissão parlamentar de inquérito aos atos de gestão e recapitalização do banco público, que se realizou esta quarta-feira.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.

BCP vai integrar o seu banco de crédito hipotecário

A operação de integração do BII no BCP é para ser feita até ao fim do ano.
Comentários