PremiumBancos devem ter especialistas em segurança cibernética nas administrações

Numa altura em que os bancos lançam App de Open Banking, o tema da cibersegurança ganha um novo protagonismo. Jorge Alcobia, CEO da Multicert, fala do papel dos mecanimos de segurança das operações bancárias digitais.

A Multicert, empresa líder na área das soluções de cibersegurança, aderiu ao programa Open Banking Europe, uma iniciativa europeia que promove a inovação, competitividade e eficiência com o objetivo de tornar os pagamentos online mais seguros. Jorge Alcobia, CEO da Multicert, em declarações ao Jornal Económico, defende que é preciso reforçar a segurança e competitividade do sector dos pagamentos online.

A cibersegurança é uma área indissociada do open banking porque ao garantir a segurança das transações bancárias digitais, ajuda a manter a confiança que é um ativo importante no sistema bancário.“A Multicert fornece às entidades financeiras devidamente autorizadas os certificados digitais necessários para que possam interligar-se umas com as outras e fornecer serviços de pagamentos inovadores, como agregação de contas, consulta de saldos, pagamentos, etc., sempre com o consentimento do titular”, diz o CEO da Multicert. “O desenvolvimento de um sistema seguro de pagamentos online é apenas mais um passo numa estratégia de protecção dos legítimos interesses dos seus utilizadores”, defende.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Miguel Maya: “BCP já tem cinco mil operações por dia feitas por robôs”

“O BCP aprendeu com os erros do passado”, reconheceu o banqueiro. Miguel Maya disse que era preciso a tecnologia com a relação humana já que “a tecnologia é para servir a relação”, referiu.

N26 quer chegar aos 100 mil clientes em Portugal até ao final do ano

Em julho de 2019 o N26 chegou ao mercado norte-americano e os planos de expansão passam por entrar no mercado australiano, brasileiro e canadiano.

Carlos Costa: Expansão da rede de distribuição com digitalização da banca agrava o “too big to fail”

O Governador do Banco de Portugal reconheceu que ainda não existem estudos empíricos suficientes para avaliar as implicações da digitalização do sector bancário.
Comentários