Bancos europeus estão mais resilientes mas estão a emitir dívida de alto risco

A Moody´s diz que em cinco anos o perfil de risco das dívidas emitidas pelos bancos europeus piorou. Isso deve-se à Diretiva de Recuperação e Resolução Bancária (BRRD) que passou a exigir aos bancos que emitam  títulos de dívida subordinada (júnior) para proteger os passivos seniores de perdas em caso de resolução.

A agência de notação financeira Moody’s alertou esta terça-feira, num relatório, que a emissão de dívida dos bancos europeus tornou-se mais arriscada nos últimos cinco anos, apesar dos balanços dos bancos estarem mais fortes e de terem melhorado os seus perfis de risco de crédito.

Trata-se de um “paradoxo aparente” que a Moody’s diz dever-se à regulação da União Europeia relativa à resolução dos bancos que os obriga “a emitir mais dívida júnior [subordinada] para proteger a dívida sénior”. Mais concretamente, deve-se às exigências da diretiva comunitária sobre a recuperação e a resolução de instituições de crédito e de empresas de investimento (BRRD).

“Ainda que, em média, o perfil intrínseco de risco de crédito dos 40 maiores bancos europeus tenha subido meio nível para Baa2 nos últimos cinco anos, o rating médio da dívida emitida por esses bancos caiu um nível para Baa1″, explicou Nick Hill, da Moody’s.

De acordo com a agência de rating, a BRRD estabelece um processo ordenado para a falência dos bancos, mas estabelece que, nestes casos, os bancos têm de emitir “uma almofada especial de dívida” para concretizar uma resolução. Almofada essa que é composta por passivo “bail-inável“. Isto é, utilizável perante uma situação de crise financeira (risco de falência) de uma instituição financeira, já que em caso de bail-in os detentores de títulos (obrigacionistas) e depositantes são forçados  a suportar parte dos encargos de modo a viabilizar a instituição ou a atenuar os riscos de contágio à economia.

O montante desta dívida para os bancos da União Europeia é apurado pelos fundos que constituem o MREL – Minimum Requirement for own funds and Eligible Liabilities, mas, nos casos dos maiores bancos europeus com dimensão global, é definido pela capacidade de absorver perdas (TLAC – capacidade total de absorver perdas).

“Ao absorver as perdas num processo de resolução, protegem-se os titulares de dívida sénior, depositantes institucionais e, em última instância, os contribuintes”, explicou a Moody’s.

Os bancos estão a emitir menos dívida sénior sem garantia de baixo risco (unsecured) e mais dívida sénior non-preferred, que tem maior risco. Esta última consiste num novo instrumento de “capitalização” do sistema bancário a acrescentar aos já existentes, que serve de alternativa à dívida subordinada como instrumento de capital de bancos. Esta categoria de dívida distingue-se das restantes pela posição destes instrumentos de dívida não garantidos na hierarquia de insolvência.

Os maiores bancos precisam de cumprir os requisitos de MREL e de TLAC para emitirem dívida em caso de resolução e, na maior parte dos casos, isto obriga à emissão adicional de dívida subordinada.

“Em termos de risco, vemos estes tipos de dívida próximos dos títulos de dívida subordinada e consideramos que a possibilidade de apoio governamental ser baixa. Consequentemente, estes instrumentos de dívida têm um rating menor do que a dívida sénior”, defende a Moody’s.

As emissões também são suportadas pelo apetite ao risco do investidor. A “busca de mais rentabilidade” a nível global também favorece a emissão de mais títulos subordinados, permitindo que o aumento da oferta exigida pela regulamentação seja absorvido pelo aumento da procura dos investidores.

Ler mais
Relacionadas

Bancos europeus preparam-se há um ano para Brexit sem acordo, diz federação

“Se de repente tivermos uma saída sem acordo, todos os contratos têm de estar adaptados à legislação britânica e isso obriga à sua reformulação”, disse Wim Mijs, presidente da EBF, em entrevista à agência Lusa.

Federação Europeia de Bancos lembra que baixas taxas de juro não são novas

“Este não é o primeiro ano em que estamos a viver com taxas de juro baixas, já existem há 10 anos. Por isso, muitos bancos já diversificaram os seus serviços”, afirmou o presidente executivo da EBF, Wim Mijs.
Recomendadas

Comissões arrecadadas pelos bancos subiram 40 milhões de euros e superaram 1.500 milhões em 2019

O parlamento debate esta quinta-feira 11 propostas de Bloco de Esquerda, PCP, PS, PAN e PSD sobre comissões bancárias, como limitar as comissões cobradas pelos bancos em meios de pagamento como MB Way, em declarações relacionadas com contratos de créditos e alterações unilaterais de contratos de crédito.
Nikolay Storonsky e Vlad Yatsenko, fundadadores da Revolut

Ronda de financiamento avalia Revolut em mais de cinco mil milhões de euros

A Revolut levantou 462 milhões de euros na ronda de financiamento série D, onde obteve uma avaliação de 5,08 mil milhões, numa altura em que o banco digital prossegue os esforços para passar a conceder crédito em todos os mercados em que opera. No entanto, ainda não tem data definida para o fazer.

Banco de Portugal vai sujeitar diretores do risco, compliance e auditoria ao ‘Fit & Proper’

Está em consulta pública até ao final de março um projeto de alteração de Aviso do Banco de Portugal que vai rever os requisitos aplicáveis em matéria de governo interno dos bancos. Entre as principais novidades introduzidas pelo regulador, destaca-se o alargamento do processo de avaliação e adequação dos diretores do risco, de compliance e de auditoria interna, e um relatório anual de autoavaliação dos bancos sobre o cumprimento das regras de controlo interno.
Comentários