Bancos multilaterais têm de reconhecer problema da insegurança em África

“Temos de pensar não só em termos militares, temos de ligar as questões de segurança ao investimento, crescimento e desenvolvimento”, argumentou o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, que lembrou que o banco está a criar títulos de dívida especificamente destinados a financiar a recuperação de zonas afetadas pelo conflito.

O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) defendeu esta terça-feira que os bancos multilaterais têm de “acordar e reconhecer o problema da insegurança”, apontando Moçambique como exemplo de um país atacado pelo terrorismo.

Os bancos de desenvolvimento multilateral têm de acordar e reconhecer o problema da insegurança, têm de encontrar novos instrumentos para ajudar os países a mitigar os riscos porque os recursos, por si só, não são suficientes”, disse Akinwumi Adesina na sessão de abertura do quarto Fórum sobre a Resiliência de África, que decorre hoje e na quarta-feira a partir de Abidjan.

Na intervenção, o banqueiro deu o exemplo de Moçambique, cujo norte do país tem sido alvo de ataques terroristas desde 2017.

“Ajudámos a estruturar um negócio de 24 mil milhões de dólares [20,5 mil milhões de euros] com a Total e outros em Moçambique, que será o terceiro maior exportador de gás natural liquefeito, mas de repente os terroristas chegaram lá, estão sempre à procura dos pontos fracos de África”, lembrou Adesina, defendendo que a solução para Cabo Delgado não pode ser apenas militar.

“Temos de pensar não só em termos militares, temos de ligar as questões de segurança ao investimento, crescimento e desenvolvimento”, argumentou o presidente do BAD, que lembrou que o banco está a criar títulos de dívida especificamente destinados a financiar a recuperação de zonas afetadas pelo conflito.

“Estamos a criar um índice de títulos de investimento em segurança, que vai permitir mobilizar recursos dos mercados de capitais a taxas de juro baixas com quatro objetivos principais: reforçar a arquitetura de segurança, reconstruir projetos de infraestruturas, recriar a infraestrutura social, como água, educação e escolas, e por último garantir que em todo o continente há boa proteção e sistemas de defesa à volta das áreas de investimentos estratégicos”, concluiu Adesina.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

Recomendadas

Mota-Engil entre os interessados na gestão do corredor do Lobito

Os representantes das empresas visitaram as Oficinas gerais do Caminho de Ferro de Benguela e o local onde vai ser instalado o Terminal de Trânsito de Mercadorias, no Compão, iniciando uma série de visitas técnicas para constatar o estado atual e operacionalidade das infraestruturas.

Bancos centrais devem agir com “prudência, flexibilidade e firmeza”, diz Mário Centeno

“Numa fase de recuperação, mas com incerteza, a atuação e comunicação dos bancos centrais deve pautar-se pela prudência, flexibilidade e firmeza”, disse o governador do Banco de Portugal na intervenção inicial no XXXI Encontro de Lisboa entre os Bancos Centrais dos PALOP.

“Quem não deve, não teme”, diz presidente angolano sobre Isabel dos Santos (com áudio)

João Lourenço diz que o regresso de José Eduardo dos Santos a Angola é “bom para todos” e garante que o Estado angolano continua interessado em vender partes das empresas públicas Sonangol, Endiama e TAAG.
Comentários