Barroca sugere que deputados chamem presidente executivo do grupo Lena para falar sobre empréstimos da CGD

Na comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), o ex-administrador do grupo Lena mostrou-se surpreendido por ser chamado ao Parlamento para falar da dívida do grupo Lena à CGD e defendeu que seja Joaquim Paulo da Conceição a pronunciar-se sobre os empréstimos concedidos pela banca ao grupo.

O ex-administrador do grupo Lena, Joaquim Barroca, sugeriu esta quinta-feira que seja ouvido, na comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), o presidente executivo do grupo Lena, Joaquim Paulo da Conceição. Joaquim Barroca mostrou-se surpreendido por ser chamado ao Parlamento para falar da dívida do grupo Lena à CGD e defendeu que seja Joaquim Paulo da Conceição a pronunciar-se sobre os empréstimos concedidos pela banca ao grupo.

“Até me admirei por me chamarem a mim. Julguei que fosse por ser uma personalidade mediática”, afirmou Joaquim Barroca, em audição, na II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da CGD e à Gestão do Banco, depois de ter sido confrontado pelos deputados sobre várias questões de matéria económica e financeira às quais não saiba dar resposta. “Não sei. Não sou capaz de responder. Não estava na área financeira”, foi repetindo em resposta na comissão.

Confrontado pelo deputado do PCP Duarte Alves sobre quem sugeria que viesse à comissão para falar sobre os negócios e créditos pedidos à banca, Joaquim Barroca sugeriu que os deputados chamem o presidente executivo do grupo Lena. “Não garanto [que consiga responder às perguntas que lhe foram colocadas], mas certamente terá mais informação que eu”, sustentou.

Relacionadas

“Todos os dias acordamos com vontade de pagar o que devemos” à CGD, diz Joaquim Barroca

Em audição na II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da CGD, o ex-administrador do antigo grupo Lena realçou que foi o próprio grupo Lena que procurou a banca para reestruturar as dívidas e negou saber pormenores sobre montes dos empréstimos pedidos e a que se destinavam.

Joaquim Barroca diz que CGD “apadrinhou” compra da Abrantina pelo grupo Lena

O ex-administrador do antigo grupo Lena explicou que o negócio tinha como finalidade concorrer a grandes investimentos públicos do Governo de José Sócrates e diz que, na altura da compra, a Abrantina já tinha imparidades.
Recomendadas

Generali fecha compra da Tranquilidade por 600 milhões de euros

A Generali acaba de fechar a aquisição da Tranquilidade por um valor de 600 milhões de euros, avança a Bloomberg. A Apollo vai emitir um comunicado.

BCP diz que Sonangol não mudou de posição em relação à sua participação acionista

Miguel Maya, CEO do Millennium bcp disse ao Jornal Económico que “o BCP tem contacto permanente com os representantes do acionista Sonangol e pode confirmar que não há qualquer alteração à posição que oportunamente foi dada a conhecer por fontes oficiais ao mercado”.

Sonangol está a concluir plano estratégico que passa por vender participação no BCP

A Sonangol tem ações em bancos a operar em Angola: no BAI 8,5%; no BFA 13%, através da Unitel; no Caixa Angola 25%; no Banco Económico 31,5% e em Portugal no BCP 19,5%.
Comentários