Basta! e Aliança superam CDS-PP no orçamento de campanha para as europeias

Novos partidos apostam forte nas eleições para o Parlamento Europeu e destacam-se entre aqueles que pretendem gastar mais numa campanha eleitoral em que só o PS ultrapassa o milhão de euros.

A Coligação Basta!, liderada por André Ventura, e a Aliança, partido criado por Pedro Santana Lopes, têm o quinto e o sexto maiores orçamentos de campanha para as eleições europeias de 26 de maio, segundo a documentação entregue ao Tribunal Constitucional pelas listas que se apresentam a votos, relegando o CDS-PP para a sétima posição de um ranking liderado pelo PS e em que PSD, CDU e Bloco de Esquerda vêm logo a seguir.

Apesar de ter um orçamento distante dos 1,250 milhões de euros que o PS pretende gastar para assegurar a vitória da lista encabeçada pelo ex-ministro Pedro Marques – tal como dos 890 mil euros previstos pelo PSD para ajudar Paulo Rangel a tornar-se o mais votado, dos 850 mil euros com que a CDU procura repetir o excelente resultado de João Ferreira em 2014 ou até dos 576.200,88 destinados pelo Bloco de Esquerda à campanha de Marisa Matias –, a coligação formada pelo PPM e PPV (e que conta com os movimentos Chega, de André Ventura, e Democracia 21, de Sofia Afonso Ferreira) destaca-se, com um orçamento de 500 mil euros.

A Coligação Basta! espera obter 400 mil euros através de angariações de fundos, enquanto a Aliança, que conta gastar 350 mil euros na campanha para as eleições europeias, depende inteiramente, segundo a documentação entregue ao Tribunal Constitucional, da subvenção estatal que será obtida em caso de eleger pelo menos o cabeça de lista Paulo Sande para o Parlamento Europeu. Mais atrás, com apenas 312 mil euros orçamentados, vem o CDS-PP, que depende a 100% dos cofres do partido para custear a campanha eleitoral que procura melhorar a representação em Estrasburgo, onde atualmente só conta com Nuno Melo, que é o cabeça de lista.

Ainda mais reduzido é o orçamento do Partido Democrático Republicano, que procura manter o seu cabeça de lista, António Marinho e Pinto (grande surpresa das europeias de 2014, então nas listas do Movimento Partido da Terra), no Parlamento Europeu. Contará com apenas 82.500 euros, ainda assim acima dos 78.410,63 euros destinados à campanha do PAN.

Entre as restantes listas destaca-se a Iniciativa Liberal, com 28 mil euros que deverão ser aproveitados quase por inteiro para cartazes e outdoors. Logo atrás vem o PCTP/MRPP, que recua para 16 mil euros, após ter apresentado um orçamento de 60 mil euros em 2014, na sequência do afastamento do ex-líder Garcia Pereira e da morte de Arnaldo de Matos.

Recomendadas

Presidente Marcelo: “Votar amanhã é não desistir da liberdade de mandar no nosso futuro”

O Presidente da República apelou hoje aos portugueses para irem votar nas eleições europeias de domingo.

Presidente da República quer CPLP com posição comum sobre oceanos

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que os países da CPLP devem alinhar posições sobre os oceanos antes da conferência da ONU dedicada ao tema, que terá lugar em Lisboa no próximo ano.

Fernando Medina diz que UE precisa de “reparar” união económica e monetária

O presidente da Câmara de Lisboa considerou hoje que o grande desafio, nos próximos anos, a nível europeu, é haver um entendimento sobre como “reparar” a União Económica e Monetária, uma questão por resolver dez anos após a crise.
Comentários