BCE alivia exigências de requisitos de capital impostas aos bancos temporariamente

O Banco Central Europeu vai permitir que os bancos operam temporariamente abaixo dos requisitos de capital. Medida foi hoje anunciada em Frankfurt para apoiar a banca europeia a financiar a economia da zona euro, numa altura em que o surto de coronavírus foi declarado como uma pandemia mundial.

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou esta quinta-feira um conjunto de medidas que visam aliviar as regras sobre as almofadas de capital impostas aos bancos da zona euro.

“O coronavírus está a demonstrar ser um choque significativo para as nossas economias. Os bancos precisam de estar em posição de continuar a assegurar as famílias e as empresas que estão a passar por dificuldades temporárias. As medidas de supervisão hoje acordadas visam apoiar os bancos a servir a economia e a resolverem desafios operacionais, incluindo a pressão que se faz sentir sobre os seus colaboradores”, salientou Andrea Enria, presidente do Board de Supervisão do BCE, em comunicado.

Reconhecendo que a banca europeia foi reforçando as almofadas de capital que servem para tornar os balanços dos bancos resilientes face a choques económicos, o BCE vai permitir que os bancos da zona euro “operem temporariamente abaixo dos níveis de capital definidos pelo ‘Pillar 2 Guidance, a almofada de conservação de capital e o rácio de cobertura de liquidez”.

Além disso, os bancos poderão utilizar parte dos instrumentos de capital que não são qualificados como CET1. Esta era uma medida inicialmente pensada para entrar em vigor a partir de janeiro de 2021, mas que foi antecipada.

“As medidas asseguram alívios de capital significativos para os bancos apoiarem a economia”. No entanto, o BCE frisou que estas medidas servem para “apoiar a economia” e não para “aumentar os dividendos ou remunerações variáveis”.

A nível operacional, uma vez que os bancos se encontram pressionados, o BCE acatou a decisão da Autoridade Bancária Europeia de adiar os testes de stress para todos os bancos visados.

(Atualizado às 13h29 ) 

Ler mais

Relacionadas

BCE mantém taxas de juro inalteradas

O Conselho do Governador do BCE explicou que as taxas de juro vão permanecer nos níveis atuais, ou em níveis menores, até que o outlook para a inflação convirja para próximo da meta de 2%.

BCE põe taxa nos empréstimos de longo prazo à banca em 25 pontos base abaixo da média do Eurosistema

Banco Central Europeu manteve as taxas de juros inalteradas, mas adotou um pacote de estímulos à economia, que incluem empréstimos mais baratos para a banca.

BCE anuncia 120 mil milhões de euros adicionais em compra de ativos até final do ano

O banco central liderado por Christine Lagarde explicou que a medida que acrescenta à ao atual programa de compra de ativos no valor de 20 mil milhões de euros por mês visa apoiar “condições de financiamento favoráveis para a economia real em tempos de incerteza mais elevada”.
Recomendadas

BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.
Comentários