BCE corta projeções. PIB da zona euro deve crescer 1,9% este ano e 1,7% em 2019

Mario Draghi referiu que o ‘momentum’ do crescimento está mais lento, e alertou sobre riscos negativos como a ameaça do protecionismo, vulnerabilidades nos mercados emergentes e volatilidade nos mercados financeiros.

O Banco Central Europeu (BCE) cortou esta quinta-feira em ligeira baixa as previsões para a expansão económica na zona euro este ano e em 2019, com Mario Draghi a salientar que apesar da procura interna continuar a suportar a retoma, os riscos estão mais negativos e há um ‘momentum’ mais lento no crescimento.

O banco central espera agora que a economia da moeda única cresça 1,9% este ano (face aos 2% que esperava em setembro) e 1,7% em 2019 (o que compara com a anterior previsão de 1,8%, afirmou presidente do BCE,  em conferência de imprensa após a reunião de política monetária do Conselho de Governadores.

Para 2020, o BCE prevê uma expansão de 1,7%, desacelerando no ano seguinte para 1,5%.

“Os últimos dados e resultados de sondagens foram mais fracos que esperados refletindo uma contribuição decrescente da procura externa e alguns fatores específicos a países e setores. Enquanto alguns destes fatores poderão atenuar, isto poderá também sinalizar algum momentum de crescimento mais lento no próximo ano”, explicou Draghi.

O italiano salientou que, do lado positivo, a procura interna (apoiada pela política monetária acomodatícia, continua a apoiar o crescimento e que a pujança do mercado de trabalho está a impulsionar o consumo privado.

Draghi referiu que os riscos que rodeiam as perspetivas de crescimento da zona euro são geralmente equilibrados, mas alertou que, no entanto, “a balança dos riscos está a pender para o lado descendente devido à persistência de incertezas relacionadas com fatores geopolíticos, a ameaça do protecionismo, vulnerabilidades nos mercados emergentes e volatilidade nos mercado financeiros”.

Inflação em desaceleração

O presidente do BCE recordou que a inflação na zona euro travou para 2% em novembro, de 2,2% em outubro, refletindo principalmente um declínio na inflação da energia.

“Com base no futuros dos preços do petróleo, é provável que a inflação irá diminuir nos próximos meses”, sublinhou. Em relação à inflação subjacente, Draghi disse que deverá aumentar no médio prazo, suportada pelas medidas de política monetária, a expansão económica e o aumento dos salários.

Draghi salientou que o BCE está confiante na convergência em direção à meta de uma inflação abaixo, mas perto de 2% no médio prazo. No entanto, o banco central alterou ligeiramente as previsões: para 1,8% este ano (face à anterior previsão de 1,7%) e, em sentido contrário, para 1,6% em 2019, abaixo da anterior previsão de 1,7%.

[Atualizada às 14h18]

Ler mais

Relacionadas

Direto: Acompanhe a conferência do BCE com Mario Draghi

O presidente do BCE, Mario Draghi, dá esta quinta-feira, 13 de dezembro, a habitual conferência de imprensa após a reunião do banco central. Assista aqui em direto.

BCE confirma: programa de compra de ativos termina no fim do mês

Após a reunião do Conselho de Governadores, o Banco Central Europeu explicou que mantém o plano para finalizar o programa de compra de dívida este ano. O foco passa agora para a conferência de imprensa de Mario Draghi às 13h30.

A magia das compras vai chegar ao fim, mas Draghi deverá manter cartas na manga

O presidente do Banco Central Europeu deverá confirmar que o programa de compra de ativos vai terminar no final do ano. No entanto, há pouca esperança que Draghi forneça pistas sobre os próximos passos na normalização gradual da política monetária.
Recomendadas

Emprego norte-americano dá ânimo a Wall Street

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previsa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

Wall Street sem gás à espera de dados económicos

Um número que a ser alcançado não belisca a ideia bem estabelecida nos analistas de que é a força do mercado de trabalho que está a sustentar o crescimento económico.

China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.
Comentários