BCE: Retoma está em curso, mas zona euro tem ainda longo caminho a percorrer

Os danos causados pela Covid-19 sentir-se-ão durante algum tempo, apesar da estimativa de recuperação aos níveis pré-pandemia de produto já no início de 2022. Novas variantes são um risco e mercado de trabalho é o melhor exemplo dos danos de médio-prazo à economia europeia.

A atividade económica na zona euro deverá retomar o nível pré-Covid-19 já no primeiro trimestre de 2022, aponta o Banco Central Europeu (BCE), mas os danos causados pela pandemia sentir-se-ão durante mais tempo.

No boletim económico publicado esta quinta-feira, a autoridade monetária europeia destaca os sinais animadores recentes referentes à economia da zona euro, sobretudo os máximos registados no índice de gestores de compras (PMI) para o bloco da moeda única, mas reitera preocupações ligadas com novas variantes da doença e com o mercado laboral, lembrando que há ainda menos 3,3 milhões de pessoas empregadas do que no início da pandemia.

A destruição causada no mercado de trabalho é particularmente notória junto de populações mais jovens e com baixos níveis de educação, acrescenta o boletim, isto apesar do decréscimo que se tem verificado no número de pessoas abrangidas por mecanismos de apoio à manutenção do emprego ou face à perda do posto de trabalho.

Adicionalmente, a possibilidade de surgirem novas variantes como a Delta gera incerteza quanto ao curto-prazo e, caso se verifique uma evolução negativa da pandemia, pode significar que sectores como o turismo ou restauração tenham de enfrentar novamente restrições à sua plena atividade.

Apesar disto, a retoma em curso tem significado uma subida do consumo na zona euro, à medida que os consumidores retomam os gastos nos serviços mais afetados pela pandemia. A juntar a este efeito, o aumento de confiança dos agentes leva, no sector empresarial, a um aumento do investimento, o que impulsiona o produto de cada Estado-membro. O BCE ressalva, no entanto, que esta retoma tem sido desigual entre países, o que pode aprofundar o fosso entre as economias europeias.

Relativamente à inflação, a autoridade monetária reconhece pressões para a subida de preços, nomeadamente através do aumento do custo da energia, mas atribui a subida recente no indicador a um efeito base criado pela queda abrupta de há um ano.

Também a fraca dinâmica de crescimento de salários e a performance do euro nos mercados cambiais acaba por conter a tendência de subida de preços, argumenta o banco central. Como tal, este mantém a sua avaliação de longo-prazo para a inflação, apesar de reconhecer uma possível trajetória mais elevada no médio-prazo, especialmente caso os constrangimentos na cadeia de abastecimento se mantiverem.

Recomendadas

PremiumRuben Eiras: “Solar e eólicas offshore serão mais competitivas que o nuclear em 2040”

A massificação da produção de hidrogénio não dependerá da eletricidade gerada pelo nuclear, admitiu o ex-diretor-geral da Política do Mar e secretário geral do Fórum Oceano ao Jornal Económico.

Crescimento da economia deverá ficar acima dos 4,5% em 2021

O novo cenário macroeconómico que acompanhará a proposta do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) também trará uma revisão em alta das perspetivas para o mercado de trabalho, já que as expectativas sobre a evolução do emprego e o desemprego são mais positivas do que o Governo antecipou quando apresentou o Programa de Estabilidade.

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

“O Estado não passa responsabilidades na educação, na saúde ou não ação social, sem transferir também para os municípios os recursos financeiros necessários para que possam exercer essas competências”, afirmou o líder socialista num comício da candidatura do PS naquele município liderado pelo empresário e engenheiro civil Manuel Machado, que se candidata pela terceira vez.
Comentários