BCP, CTT e NOS lideram subidas na Bolsa de Lisboa. Volatilidade marca sessão europeia

As principais praças europeias fecham com os principais índices a oscilar entre ganhos e perdas e a volatilidade marcou a sessão nas principais praças europeias. Não obstante toda esta volatilidade, a maioria dos membros do PSI-20 fechou em alta.

José Manuel Ribeiro/Reuters

As ações do BCP subiram +1,73% para 0,1763 euros; as da NOS avançaram 1,83% para 3,90 euros; e os CTT ganharam +1,69% para 2,53 euros.

Com isto o PSI-20 fechou nos 5.110,3 pontos (+0,63%), numa sessão onde o verde dominou as praças europeias.

“Tal como os seus pares europeus, o PSI20 viveu uma sessão bastante volátil”, explica o analista do BPI no seu comentário de fecho.

“Os movimentos do índice português espelharam o padrão observado no resto da Europa: uma abertura negativa que se prolongou durante a manhã, antes de uma recuperação se materializar”, acrescenta o BPI que a título de exemplo da volatilidade refere o BCP que oscilou entre os 0,1677 euros e os 0,1783 euros, a Galp que variou entre os 13,33 euros e os 13,78 euros, e a Mota-Engil que oscilou entre os 1,358 euros e os 1,447 euros.

Não obstante toda esta volatilidade, a maioria dos membros do PSI-20 fechou em alta, permitindo ao índice nacional apresentar uma valorização superior ao dos seus congéneres europeus.

A Jerónimo Martins valorizou +1,11% para 16,80 euros.

Pela negativa destacaram-se a Ibersol que fechou nos 8,24 euros (-3,51%); a Ramada que caiu -2,53% para 5,40 euros; a Altri que perdeu -1,20% para 5,33 euros e a Sonae Capital que tombou -1,75% para 0,7280 euros.

A Europa recupera de perdas com maioria dos índices a fechar no verde, O global EuroStoxx 50 fechou nos 3.577,7 pontos (+0,14%). O londrino FTSE 100 subiu 0,35% para 7.042,5 pontos; o CAC 40 subiu 0,09% para 5.684,5 pontos; o DAX, pelo contrário, perdeu -0,12% para 12.774,9 pontos. O espanhol IBEX fechou nos 9.306,9 pontos (+0,61%) e o FTSE MIB de Milão liderou as subidas ao avançar 1,44% para 23.442,5 pontos.

“As principais praças europeias fecham com os principais índices a oscilar entre ganhos e perdas, depois da recuperação iniciada após a primeira hora de negociação”, refere Ramiro Loureiro analista da Mtrader (BCP).

Numa sessão marcada por forte volatilidade, o foco dos investidores esteve nos potenciais impactos económicos do Coronavírus, bem como a forma como se propaga em vários países fora do continente asiático.

Em Itália foram registados 19 novos casos, enquanto que em França se lamentou a primeira morte. Em Tenerife cerca de 700 pessoas estão confinadas a um hotel, posto em quarentena.

“No plano macroeconómico as vendas de casas novas nos EUA em janeiro demonstraram uma aceleração mais acentuada do que o esperado. Já no seio empresarial destaque para as valorizações da ASM International, Saipem, Peugeot e Iberdrola após apresentação de contas. O setor de Viagens & Lazer foi o mais castigado no universo Stoxx 600”, refere a Mtrader.

“Os mercados europeus viveram uma sessão particularmente volátil. A abertura foi bastante pressionada, em virtude da queda acentuada observada ontem em Wall Street. Posteriormente, o movimento descendente agudizou-se com as crescentes evidências da propagação do vírus na Europa e os danos económicos que está a originar”, diz também o BPI.

Ao nível económico, algumas empresas começam a manifestar nas suas projeções a incerteza que impera. O BPI destaca que a Danone informou que o resultado líquido de 2019 ficou aquém do estimado e apresentou novas perspetivas para 2020. Para este ano, a Danone refere que as condições económicas irão permanecer particularmente voláteis e incertas.

Já a Hermès, fabricante de bens de luxo, informou que o lucro líquido e as receitas aumentaram em 2019, impulsionados pelo crescimento em todas as regiões. O lucro líquido aumentou dos 1.410 milhões de euros em 2018 para os 1.530 milhões de euros. Apesar deste bom desempenho, a empresa informou que a afluência às suas lojas na China ainda não tinha voltado à normalidade.

O BPI destaca ainda a Diageo, produtora de licores e outras bebidas espirituosas, reduziu as suas estimativas para os resultados deste ano em virtude do surto de coronavírus.

Por sua vez a mineira Rio Tinto reportou uma queda nos resultados de 2019 e a curto prazo espera sofrer disrupções nos seus fornecedores, afetando assim a sua atividade.

Noutros mercados, o Brent em Londres cai 1,53% para 54,11 dólares o barril.

A nível macroeconómico, a Comissão Europeia publica hoje a sua análise anual da situação económico-social nos Estados-Membros, incluindo uma avaliação dos desequilíbrios remanescentes. Esta avaliação dos progressos dos Estados-Membros faz parte do ciclo anual de coordenação das políticas económicas a nível da UE e é conhecida por Winter Package do Semestre Europeu.

Neste contexto, a Comissão Europeia divulga hoje o Country Report de Portugal no âmbito do Semestre Europeu, mantendo as previsões económicas de Inverno divulgadas no passado dia 13 de fevereiro para o crescimento do PIB e para a inflação, e mantendo as previsões económicas de Outono divulgadas no passado dia 11 de novembro para os restantes indicadores, considerando que o comportamento positivo da economia e o esforço nas políticas têm ajudado o país a enfrentar alguns dos seus desafios.

Para Portugal, a Comissão Europeia considera que se registou algum progresso nas seguintes áreas: na tomada de medidas para combater a segmentação do mercado de trabalho; uma melhoria do nível de habilitações da população, em particular na literacia digital, tornando a aprendizagem de adultos mais relevante para as necessidades do mercado de trabalho; o aumento do número de licenciados do ensino superior, particularmente nas ciências e nas tecnologias da informação; o direccionamento do investimento publico para a descarbonização e transição energética, ampliando as interconexões energéticas, tendo em consideração as disparidades regionais; o permitir uma recuperação mais rápida das garantias associadas a empréstimos vencidos, aumentando a eficiência dos processos de insolvência e recuperação; e aumentar a eficiência dos tribunais administrativos e tributários, diminuindo a duração dos procedimentos.

Mas também alerta que houve um progresso limitado nas seguintes áreas: Melhoria da qualidade das finanças públicas, dando prioridade à despesa destinada a promover o crescimento económico, com o reforço do controle dos gastos, da eficiência de custos e da orçamentação adequada, com ênfase na redução duradoura dos pagamentos em atraso dos hospitais; melhoria da sustentabilidade financeira das empresas estatais, garantindo uma monitorização atempada, mais transparente e abrangente; melhoria da eficácia e adequação da rede de segurança social; direccionamento do investimento público para a investigação e inovação e para as infraestruturas ferroviárias e portuárias; e redução dos encargos administrativos e regulatórios para as empresas, reduzindo principalmente as barreiras específicas ao licenciamento.

Por fim disse que  não houve progresso no desenvolvimento de um plano para reduzir restrições em profissões altamente regulamentadas.

A dívida portuguesa agrava 3,9 pontos base para 0,276%. A dívida espanhola também sobe 3,7 pontos base para 0,25% e Itália tem os juros a 10 anos em alta de 0,6 pontos base para 0,994%.

Ler mais

Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários