BCP e FEI assinam dois contratos de 1,2 mil milhões para apoiar PME afetadas pela Covid

Assumindo até 70% do risco dos financiamentos concedidos pelo BCP às PME através do EGF, o FEI vai promover a concessão de financiamento novo, revela o banco.

O FEI e o Millennium bcp vão apoiar as PME portuguesas com financiamento de cerca de 1,2 mil milhões de euros para mitigar os efeitos da crise pandémica. Isto porque assinaram hoje dois contratos ao abrigo do Fundo de Garantia Pan-europeu (EGF) naquele valor.

Com isto o financiamento para PME terá condições mais favoráveis através do Millennium bcp e do EGF.  Assumindo até 70% do risco dos financiamentos concedidos pelo BCP às PME através do EGF, o FEI vai promover a concessão de financiamento novo, revela o banco.

“O Fundo Europeu de Investimento (FEI), que integra o Grupo do Banco Europeu de Investimento e o Millennium bcp uniram forças, uma vez mais, no sentido de apoiar a recuperação das pequenas e médias Empresas (PME) portuguesas afetadas pela crise económica causada pela pandemia Covid-19”, diz o comunicado do banco.

O EGF, que se encontra operacional desde outubro, foi aprovado pelo Conselho Europeu como parte integrante de um pacote de medidas de resposta da União Europeia (UE) ao impacto económico causado pela pandemia, com o objetivo de apoiar as empresas afetadas, com grande enfoque nas PME.

“Com a intervenção do EGF, o Millennium bcp poderá conceder crédito às PME em condições preferenciais, assegurando que as empresas em Portugal tenham acesso a linhas de crédito suficientes, para mitigar os impactos da crise pandémica da Covid-19 e permitir às mesmas manter os respetivos planos de crescimento e desenvolvimento a médio e longo prazo”, lê-se no comunicado.

Na mesma nota, Alain Godard, Chief Executive do FEI, Ricardo Mourinho Felix, Vice-Presidente do BEI, e Miguel Maya, CEO do BCP, manifestaram-se satisfeitos com a parceria.

Ricardo Mourinho Félix diz que “o Grupo do Banco Europeu de Investimento está disponível para apoiar Portugal no combate aos problemas causados pela pandemia”, e lembra que “as PME representam em Portugal uma parte substancial do tecido empresarial e da força empregadora”.

Por esse motivo, “em 2020, cerca de três quartos do apoio financeiro do Grupo BEI no país foi destinado às necessidades financeiras das PME, tendo assinado contratos com Bancos portugueses no total de 1.690 milhões de euros”, diz Mourinho Félix.

Já Miguel Maya, CEO do BCP, salientou que “o Millennium bcp afirma-se cada vez mais como o Banco de referência para o tecido empresarial português, competindo-lhe um papel de destaque no apoio à recuperação da economia e à modernização das empresas neste enquadramento desafiante que resulta da pandemia”.

Em 2020 o Millennium bcp financiou mais de 4 mil milhões de euros que abrangeu cerca de 30.000 empresas.

“O Millennium bcp assina hoje o maior contrato de sempre com o FEI / BEI em Portugal, sinalizando também desta forma o seu compromisso com as empresas a operar em Portugal”, conclui o CEO.

Por fim, Alain Godard diz que está “orgulhoso por ver que o EGF está a provar ser um instrumento pan-Europeu forte, através do qual podemos apoiar a Europa a recuperar do terrível impacto do Covid-19”.

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco: Luís Filipe Vieira pede adiamento de audição devido a consulta médica

De acordo com o presidente da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, Fernando Negrão (PSD), Luís Filipe Vieira “pediu que a audição fosse adiada para uma data posterior a uma consulta que tem”.

Novo Banco: José Eduardo dos Santos não respondeu a Cavaco Silva sobre BESA

O antigo presidente angolano José Eduardo dos Santos não respondeu a uma carta do antigo homólogo português, Aníbal Cavaco Silva, acerca da situação do BES Angola (BESA), segundo respostas enviadas à comissão de inquérito ao Novo Banco.

Novo Banco: Cavaco Silva reitera que nunca pediu dinheiro para campanhas eleitorais

O antigo Presidente da República Cavaco Silva respondeu à Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução recorrendo a transcrições do seu livro “Quinta-feira e Outros Dias”, um documento com oito páginas, nas quais responde conjuntamente às perguntas feitas pelo BE, PS e PAN.
Comentários