BCP e Galp animam bolsa de Lisboa. Mercados sobem com notícias da Evergrande

A Galp foi mesmo a segunda cotada que mais subiu no universo Stoxx 600 e liderou os ganhos no sector energético. A trazer algum otimismo ao mercado europeu que fechou no verde, está a comunicação da Evergrande de que resolveu por via de negociações fora da câmara de compensação o pagamento de juros de obrigações que vencem amanhã.

O PSI-20 fechou a sessão desta quarta-feira a disparar 2,22% para 5.388,03 pontos e liderou as subidas na Europa que beneficiou da notícia que a promotora imobiliária chinesa, Evergrande, chegou a acordo com os credores o que afasta, para já, receios de um caso Lehman Brothers.

A Galp e BCP puxaram pelo PSI-20. As ações da Galp dispararam +6,01% para 8,79 euros e as ações do BCP avançaram +5,32% para 0,1307 euros. A petrolífera portuguesa foi mesmo a segunda cotada que mais subiu no universo Stoxx 600 e liderou os ganhos no setor Energético.

Numa sessão em que apenas a Ibersol não mexeu, há outras subidas que se destacam. As ações da Altri subiram 3,42% para 5,45 euros; as ações da GreenVolt cresceram 3,52% para 6,18 euros; a Sonae valorizou 3,00% para 0,9085 euros; a EDP avançou 2,65% para 4,65 euros. As ações da Mota-Engil também a subirem 2,06% para 1,337 euros. Destaque ainda para os CTT que subiram 1,94% para 4,74 euros.

As praças europeias encerram em alta. O EuroStoxx 50 avançou 1,2% para 4.150,2 pontos. Nas principais bolsas, o índice britânico FTSE 100 fechou em alta de 1,47% para 7.083,4 pontos; o CAC 40 ganhou 1,29% para 6.637 pontos; o DAX subiu 1,03% para 15.506,7 pontos; o FTSE MIB fechou com ganhos de 1,44% para 25.717,5 pontos e o IBEX foi o que teve a subida mais modesta, de 0,60% para 8.808,4 pontos.

“No exterior, os sectores cíclicos (banca, recursos naturais, automóvel, energético e viagens/lazer) demonstraram as maiores valorizações, no dia em que as atenções estão voltadas para as decisões de política monetária do banco central norte-americano que serão divulgadas pelas 19h e para o discurso de Jerome Powell pelas 19h30”, diz Ramiro Loureiro, analista do Millennium investment banking.

“Os investidores irão estar atentos ao gráfico dot plot (gráfico que resume as perspetivas dos membros da FOMC para as taxas de juro no futuro) e para as perspetivas de inflação e crescimento económico”, diz Ramiro Loureiro.

A trazer algum otimismo ao mercado esteve também a comunicação da Evergrande de que resolveu por via de negociações fora da câmara de compensação o pagamento de juros de obrigações que vencem amanhã, acrescenta o analista do BCP.

O petróleo Brent em Londres sobe 1,84% para 75,73 dólares o barril, ao passo que nesta altura o crude West Texas nos EUA sobe 1,86% para 71,8 dólares.

O euro aprecia 0,11% para 1,1739 dólares.

A dívida pública alemã a 10 anos cai 0,64 pontos base para -0,32%. Os juros da dívida portuguesa caiem 2,75 pontos base para 0,21%. O mesmo acontece com a dívida espanhola que recua 1,23 pontos base para 0,31% e com a dívida de Itália que cai 3,17 pontos base para uma yield de 0,66%.

Recomendadas

S&P 500 inverte tendência de abertura e fecha no verde na antecâmara de resultados do sector tecnológico

Numa semana que verá gigantes tecnológicos como a Netflix ou a Tesla reportarem os seus resultados do terceiro trimestre, a expectativa quanto a números fortes quanto ao sector empresarial norte-americano acabou por levar a melhor face às preocupações do início da sessão causadas pelos desapontantes dados macro vindos dos EUA e da China.

PSI-20 fecha em queda alinhada com bolsas da Europa que foram afetadas pela China

O índice lisboeta fechou com 11 títulos em queda, dos quais se destacam os da Jerónimo Martins que recuaram -2,47%, os da Sonae que perderam -1,35% e os do BCP que voltaram a cair. Na Europa, os ventos asiáticos derrubaram bolsas. Crise energética faz subir yields.

Wall Street começa semana no vermelho depois de dados desapontantes nos EUA e China

A semana arrancou com dados negativos sobre a produção industrial americana e chinesa, onde os números do crescimento no terceiro trimestre também desapontaram ao mostrar uma evolução do PIB abaixo do esperado.
Comentários