BCP e papeleiras puxam pela Bolsa de Lisboa

A Altri e a Sonae lideraram os ganhos no fecho da sessão desta quarta-feira. O petróleo dispara mais de 3% em reação à reunião da OPEP que está agendada para amanhã, em Viena.

Brendan McDermid/Reuters

A Bolsa de Lisboa encerou a sessão desta quarta-feira, dia 4 de dezembro, em terreno positivo, com uma subida de 1,72% para os 5.124,40 pontos. O principal índice bolsista nacional terminou as negociações de hoje impulsionado sobretudo pelos títulos do BCP (+2,92%, para 0,19 euros) os das empresas da pasta e do papel.

No PSI-20, que acompanha o otimismo europeu, sobressaem os ganhos da Altri (+3,29%, para 5,65 euros), da Sonae (+3,29%, para 0,94 euros), bem como da Semapa (+1,34%), da Pharol (+2,80%), da Navigator (+2,43%), dos CTT (+2,42%) e da Corticeira Amorim (+1,28%). Por outro lado, caem as ações da Sonae Capital (-0,90%) e da F.Ramada (-1%).

Nas restantes praças do ‘Velho Continente’, reinaram igualmente as valorizações. O índice alemão DAX subiu 1,17%, o britânico FTSE 100 avançou 0,38%, o francês CAC 40 cresceu 1,27%, o holandês AEX subiu 1,38%, o italiano FTSE MIB ganhou 1,31% e o espanhol IBEX 35 somou 1,47%. O Euro Stoxx 50 ficou igualmente marcado por uma valorização de 1,38%.

“As notas de que os Estados Unidos e a China estão a aproximar-se no âmbito da assinatura da primeira fase do acordo comercial acabaram por ser o principal driver e mostra quanto os investidores estão focados no tema da guerra comercial. Os dados de atividade terciária para a zona euro e China chegaram acima do previsto, dando um suporte adicional”, explica Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp.

Em relação aos preços do petróleo, a cotação do barril de Brent está a disparar 3,62%, para 63,02 dólares, enquanto a cotação do crude WTI avança 3,76%, para 58,21 dólares por barril. O preço do petróleo está a subir porque amanhã há uma reunião da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), na cidade de Viena, na Áustria.

“Os produtores de matérias-primas, um dos setores mais sensíveis à economia chinesa, encerrou com uma valorização superior a 1%. Hoje foi publicado que, durante o mês de novembro, o setor dos serviços na China registou uma aceleração para o máximo dos últimos sete meses, dando assim um sinal positivo à segunda maior economia mundial: o índice de atividade PMI, relativo ao setor dos serviços, subiu dos 51,1 em outubro para os 53.5, acima dos 51,3 esperados”, referem os analistas do CaixaBank/BPI Research, numa nota de mercado.

Quanto ao mercado cambial, o euro deprecia 0,04% face ao dólar (1,1077) e a libra “valoriza” 0,78% perante a divisa dos Estados Unidos (1,3093).

Ler mais

Recomendadas

Bolsa de Lisboa em queda com deslize da Galp. Europa encerra em baixa

Os resultados do UBS e o vírus da China que penalizaram o sentimento dos investidores nas bolsas europeias, dizem os analistas. Por cá a Galp foi afetada pela queda do price-target da Morgan Stanley. Já o BCP conseguiu fechar em terreno positivo.

“Mercados em Ação”: Assista ao programa desta semana

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

Wall Street em baixa e ressente-se do novo vírus da China

A Comissão Nacional de Saúde da China confirmou que coronavírus é transmissível entre humanos, tendo o vírus chegado aos maiores centros urbanos chineses, incluindo a capital, Pequim, a cidade de Shanghai. A situação está a ter impacto particularmente nos títulos das companhias aéreas e nos operadores de casinos e hóteis norte-americanos. Previsões do Fundo Monetário Internacional sobre o crescimento da economia mundial e nos Estados Unidos também estão a pesar no sentimento dos investidores.
Comentários