BCP põe Bolsa de Lisboa a divergir da subida dos mercados da Europa

O BCP foi o pior ‘performer’ da sessão contrariando a performance dos pares europeus. As ações do banco em Portugal foram contagiadas pela queda do Millennium Bank na Polónia. A sessão acabou por ser positiva para a maioria dos principais índices de ações europeus.

A bolsa portuguesa encerrou o dia com perdas ligeiras (5.016 pontos tendo caído -0,47%), em contra-ciclo com os ganhos (também pouco expressivos) da maioria das bolsas europeias.

O campeão das perdas hoje foi o BCP que caiu -3,13% para 0,1980 euros. As ações do banco em Portugal foram contagiadas pela queda do Millennium Bank na Polónia (-6,13%). O banco onde o BCP tem 50,1% está a sofrer o impacto de uma decisão eventualmente desfavorável por parte do Tribunal de Justiça da União Europeia sobre os empréstimos à habitação concedidos em francos suíços.

O BCP foi o pior performer da sessão contrariando a performance dos pares europeus. A ação voltou a terreno negativo, depois de ontem ter recuperado cerca de 2%.

A  marcar o dia de hoje está a notícia, avançada por órgãos de comunicação polacos, de que o Tribunal de Justiça da União Europeia deverá emitir o seu parecer no dia 3 de outubro. Esta é a data indicativa que está a ser noticiada pelo jornal Dziennik Gazeta Prawna e pela agência de notícias PAP, ambos citados pela agência Bloomberg.
Já entraram em tribunal cerca de 8.000 processos nos tribunais polacos, refere a Bloomberg.

“A sessão acabou por ser positiva para a maioria dos principais índices de ações europeus, com o PSI20 e o Footsie a serem exceções”, relata o analista do Millennium BCP Investimento. “Isto num dia de revisão de índices, ao fecho de mercado, e de Quadruple Witching (dia de vencimento simultâneo de 4 contratos, de futuros e de opções sobre ações e índices), o que justificou um maior volume de transações”, acrescenta Ramiro Loureiro.

“A confiança dos consumidores da Zona Euro em setembro chegou-nos melhor que o previsto, tendo ajudado a  suportar os ganhos”, refere o analista do BCP.

O valor preliminar aponta para subida do indicador, de -7,1 para -6,5 em setembro, de forma mais expressiva que o previsto (-7,0).

A segunda maior queda coube à Semapa (-1,79% para 12,1 euros); seguindo-se a Sonae (-1,67% para 0,852 euros); a Navigator (-80% para 0,620 euros) e a Altri (-0,97% para 6,115 euros).

As maiores subidas foram a Galp (+0,72% para 13,925 euros); a REN (+0,40% para 2,52 euros) e a EDP Renováveis (+0,61% para 9,920 euros).

As ações da Jerónimo Martins fecharam sem alterações significativas (+0,13%), embora durante a sessão tenham sofrido alguma pressão vendedora.

Na passada quarta-feira, a agência Bloomberg noticiou que a casa de investimento Bernstein iniciou a análise das ações da retalhista, tendo atribuído à Jerónimo Martins um preço-alvo de 12.50 euros.

Os CTT desceram 0,36%, fruto de uma realização de mais-valias após os ganhos registados desde o início do mês, detalhou o analista do BPI no seu comentário de fecho.

O analista do BPI salientou que os mercados europeus fecharam com ligeiros ganhos, com os investidores entusiasmados com as recentes medidas de estímulo anunciadas pelos Bancos Centrais.”A volatilidade foi superior ao habitual, em virtude de hoje ter sido o vencimento dos contratos de futuros e opções”, refere a análise do BPI publicada no site do banco.

O EuroStoxx 50 subiu 0,52% para 3.571,07 pontos. O FTSE 100 caiu 0,16% para 7.344,92  pontos; o CAC ganhou 0,56% para 5. 690,78 pontos e o DAX valorizou 0,083% 12.468,01 pontos pontos e o IBEX fechou positivo nos 9.179 pontos (+0,47%).

Já Milão também fechou em baixa (-0,023%).

Em termos empresariais, a espanhola Telefónica subiu 1,61%. Segundo o Expansion, a empresa poderá formar uma parceria com a Atresmedia com o vista a criar uma plataforma audiovisual que rivalize com a Netflix, a HBO, a Amazon Prime Video, entre outras. Dada a quota de mercado que ambas as empresas têm, a Telefonica na TV a pagamento e a Atresmedia na TV de canal aberto, esta operação está condicionada à autorização da Autoridade da Concorrência.

Hoje a maioria dos setores fechou em alta, tendo-se destacado o petrolífero com uma valorização superior a 1%. O Brent em Londres ganhou 0,95% para 65,01 dólares (o crude nos EUA está a subir 1,24% para 58,85 pontos).

O BPI destaca que “em ligeira baixa encerraram os produtores de matérias-primas e os fabricantes de automóveis. Estes dois últimos setores são mais sensíveis à economia chinesa”. Hoje, o Banco Central da China publicou uma nova versão das taxas de juro prime a 1 e a 5 anos. As taxas de juro prime são aquelas que os bancos chineses cobram aos seus melhores clientes e servem de referência para os demais. A primeira passou de 4,25% para 4,20% e a segunda manteve-se nos 4,85%.

O mercado de dívida soberana regista uma queda de 1,4 pontos base para 0,521%. A dívida de Portugal a 10 anos e a cair 1,6 pontos base para 0,249% e Espanha com juros a caírem 1,3 pontos base para 0,236%. Esta semana ficou conhecido que as negociações para a formação de um Governo em Espanha não deram frutos. Perante o cenário atual, o rei de Espanha decidiu não propor o líder socialista, Pedro Sánchez, como candidato a ser reconduzido como primeiro-ministro. O cenário mais certo nesta altura passa pela dissolução do Parlamento e a convocação de novas eleições.

A dívida de Itália agrava 3,8 pontos base para 0,923%.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Premium“Queremos impulsionar ainda mais a qualidade da informação económica”, realça presidente da CFA Society Portugal

Marcos Soares Ribeiro diz que “existem ótimos profissionais no jornalismo financeiro em Portugal” que são “uma peça chave para a promoção do conhecimento e literacia financeira junto do grande público”.

Depois das praças europeias, Brexit penaliza Wall Street

O Goldman Sachs aumentou a sua estimativa quanto à probabilidade de o Brexit vir mesmo a acontecer, atribuindo agora 65% de hipóteses para que o divórcio entre a União Europeia e o Reino Unido ocorra no dia 31 de outubro.

Brexit assusta bolsas europeias e PSI 20 perde 0,73%

Voto no Parlamento britânico sobre o acordo do Brexit negociado esta semana com a União Europeia causou algum desconforto para os investidores. No PSI 20, a Mota Engil e o BCP lideraram as perdas numa sessão em que 13 cotadas encerram em queda.
Comentários