BCP quer concluir plano de redução de pessoal a 5 de dezembro

O processo de negociação voluntária decorre até 18 de agosto, tendo o banco comunicado aos sindicatos que, se não atingir a meta (de reduzir ligeiramente acima de 800 pessoas) pode avançar com o despedimento coletivo em setembro.

O presidente do Millennium Bcp, Miguel Maya, durante a apresentação dos resultados do banco durante o ano de 2020, Oeiras, 25 de fevereiro de 2021. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O objetivo do Millennium BCP é encerrar o plano de reestruturação, que passa pelo ajustamento do quadro de pessoal, em 5 de dezembro, segundo a apresentação do banco aos sindicatos que foi consultada pela Lusa.

O Jornal Económico avançou na sua edição desta sexta-feira que o BCP negociou com os sindicatos uma redução do quadro de pessoal entre 800 e mil pessoas, mas o número que está nos planos do banco é mais perto do limite inferior do intervalo.

A Lusa detalha que os trabalhadores poderão sair por reformas antecipadas (para trabalhadores com 57 anos ou mais) ou em rescisões por mútuo acordo. Neste caso, quem sair em rescisão por acordo não acede a subsídio de desemprego.

O BCP arrancou esta semana o plano de redução de trabalhadores e começou a contactar cada um dos trabalhadores que aceite sair e a apresentar as condições da rescisão (incluindo o valor das indemnizações). Tal como o Jornal Económico avançou, entre as condições da rescisão por mútuo acordo está o pagamento de uma indemnização de 1,4 ordenados por ano de trabalho. Inicialmente o BCP queria propor 1,3 ordenados, mas na sequência da reunião com sindicatos subiu o valor a pagar pelas saídas voluntárias.

O  processo de negociação voluntária decorre até 18 de agosto, tendo o banco comunicado aos sindicatos que, se não atingir a meta (de reduzir ligeiramente acima de 800 pessoas) pode avançar com o despedimento coletivo em setembro. Os sindicatos prometem dar luta se o BCP avançar com o processo de rescisão unilateral.

O BCP tem atualmente em Portugal 7.004 colaboradores.

Na apresentação feita aos sindicatos, a que a Lusa teve acesso, o BCP indica que o despedimento coletivo, cumprindo as condições legais, abrange “todos os que não aceitem o processo de negociação”. Já em 9 de junho, numa comunicação interna o presidente do banco tinha falado em “medidas unilaterais de redução do número de trabalhadores”.

Relacionadas

PremiumBCP avança com 800 rescisões amigáveis, mas pode recorrer ao despedimento coletivo

O BCP está a oferecer a cada trabalhador que aceita sair de comum acordo uma indemnização de 1,4 ordenados por ano de antiguidade, sabe o JE.
Recomendadas

Falta de legislação impede criação de fundo sísmico com oito mil milhões, diz APS

A Associação Portuguesa de Seguradores diz que é o sector segurador e ressegurador e não o Estado quem assume diretamente responsabilidades inicialmente até oito mil milhões de euros, mas que o fundo não poderá funcionar sem o necessário enquadramento legal.

BES: Pareceres atribuem prejuízos da recompra de obrigações à administração que sucedeu a Salgado

Dois pareceres juntos pela defesa de Ricardo Salgado no processo do Eurofin atribuem à gestão que lhe sucedeu a responsabilidade pelos prejuízos gerados pela recompra das obrigações BES e que levaram à sua condenação pelo supervisor.
João Paulo Correia

Novo Banco: PS acusa PSD de querer ganhar na secretaria o que não ganhou com inquérito

“O Partido Socialista esperava da parte do PSD uma posição mais responsável e mais construtiva nesta fase do inquérito. O PSD sente-se tentado a ganhar na secretaria aquilo que não foram os ganhos que espera ter durante os trabalhos do inquérito”, afirmou o deputado socialista João Paulo Correia.
Comentários