PremiumBCP quer reduzir malparado para 3 mil milhões em 2021

O BCP lucrou 302 milhões em 2019, à custa de mais-valias em dívida portuguesa. A redução do 1,3 mil milhões de NPE foi a boa notícia.

O BCP anunciou uma redução de 1,3 mil milhões de NPE (crédito não produtivo) para 4,2 mil milhões de euros em 2019, sendo que só em Portugal o crédito incobrável caiu 1,6 mil milhões para 3,2 mil milhões. Esta foi a melhor notícia dos resultados anuais do Millennium BCP. Isso mesmo reconhece Nicola de Caro, senior vice president da DBRS: “no geral, os resultados mostraram um progresso adicional na redução do crédito malparado (NPLs)”. A DBRS destaca em particular, que “o stock de NPE do BCP diminuiu para 4,2 mil milhões, contra 4,6 mil milhões no terceiro trimestre (e 5,5 mil milhões em 2018), enquanto o rácio de NPE caiu para 7,7%, de 8,4% (e de 10,9% em 2018)”.

Para 2021, no Plano Estratégico, o BCP prevê reduzir o stock de NPE para 3 mil milhões, o que significaria uma redução de 60% do malparado desde 2017. Relacionado com isto, o custo do risco de crédito baixou de 92 pontos base para 72 pontos base, sendo que em Portugal caiu de 105 pb para 76 pb. Tudo à custa de menos crédito com imparidades em 2019. As novas imparidades para crédito (líquidas de recuperações) somaram 390,2 milhões em 2019 caindo 16% face às de 2018. Já as imparidades para outros ativos foram de 151,4 milhões, acima dos 136,5 milhões em 2018. Ao todo em 2019 as novas imparidades totalizaram 541,6 milhões, menos 9,9% que em 2018.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

BPI alarga moratórias para famílias e empresas com carência de capital entre seis a doze meses

A partir de segunda-feira, os clientes que estejam em situação regular com o BPI poderão beneficiar do alargamento do regime da moratória publica junto do banco, que prevê dar carências de capital entre seis e doze meses.

Vírus atrasa auditoria ao Novo Banco

A conclusão da auditoria da Deloitte deverá derrapar para lá de 31 de maio.
Comentários