BE, Podemos e França Insubmissa unem-se para criar “revolução cidadã na Europa”

O novo movimento político tem como objetivo enfrentar a austeridade e os tratados promovidos pelas “elites de Bruxelas”.

“Temos barragens a mais, as barragens provocam evaporação, portanto nós estamos sempre a perder água e isto é um problema muito complicado.”

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, esteve esta quinta-feira reunida com o líder do Podemos, Pablo Iglesias, e Jean-Luc Mélenchon, da França Insubmissa, para apelarem à criação de uma “revolução cidadã na Europa”. O novo movimento político tem como objetivo enfrentar a austeridade e os tratados promovidos pelas “elites de Bruxelas”.

“Hoje em Lisboa damos um passo em frente. Apelamos aos povos da Europa para que se unam na tarefa de construir um movimento político internacional, popular e democrático de forma a organizarmos a defesa dos nossos direitos e a soberania dos nossos povos face a uma velha ordem, injusta e que nos conduzirá ao desastre”, lê-se na declaração ‘Agora, o povo’, apresentada pelos três dirigentes políticos.

Catarina Martins explica que documento visa a criação de “um novo movimento político europeu que ofereça uma alternativa aos nossos povos em relação aos tratados que hoje estão a impor tantas dificuldades aos países europeus”. “Podemos fazer diferente e aqui estamos: três forças políticas do sul da Europa, empenhadas em criar uma nova cooperação europeia que em vez de retirar soberania, ponha a resposta aos povos no centro da política”, explicou.

Pablo Iglesias considera que o movimento representa “um passo em frente na Europa, para defender uma Europa que se fundamente nos direitos sociais, nos direitos humanos e nos direitos civis”. Já Jean-Luc Mélenchon diz que este movimento constrói uma alternativa política na Europa, “que caminha a passos largos para a guerra”.

Recomendadas

Presidente da República deve publicar dissolução da Assembleia a 5 de dezembro

Marcelo Rebelo de Sousa deverá publicar a dissolução da Assembleia da República em 5 de dezembro, depois de dar algum tempo ao Governo de apresentar diplomas sobre o combate à pandemia.

Ferro Rodrigues despede-se da AR: “Maior honra da minha vida” foi ser presidente do Parlamento

A despedida do presidente do parlamento foi aplaudida de pé por todas as bancadas.

Rio e Rangel convergem em melhores salários e menos carga fiscal

Redução da carga é apontada por ambos os candidatos à liderança do PSD como instrumento para alavancar a competitividade da economia e permitir aumentos de salários.
Comentários