BE quer turmas com máximo de 20 alunos para regresso “em segurança” às aulas presenciais no próximo ano letivo

Os bloquistas consideram que o regresso às aulas presenciais é essencial para os alunos e que a criação de turmas mais pequenas vai garantir as “condições de segurança e de distanciamento físico necessárias à contenção” da Covid-19.

O Bloco de Esquerda (BE) quer introduzir um número máximo de 20 alunos por turma no ensino pré-escolar, básico e secundário para que os alunos regressem “em segurança” às aulas presenciais no próximo ano letivo. Os bloquistas consideram que o regresso às aulas presenciais é essencial para os alunos e que a criação de turmas mais pequenas vai garantir as “condições de segurança e de distanciamento físico necessárias à contenção” da Covid-19.

“Para um regresso às aulas presenciais em segurança, a redução do número de alunos por turma é uma medida fundamental, tal foi demonstrado pela experiência do regresso às aulas presenciais do 11.º e do 12.º anos e do 2.º e 3.º anos dos cursos secundários de dupla certificação e pela experiência de outros países”, defende a bancada do BE, num projeto de lei entregue pelo BE na Assembleia da República.

O grupo parlamentar do BE propõe que o número de alunos por turma passe a corresponder “a um mínimo de 15 e um máximo de 20”, devendo a dimensão exata ser definida pelas escolas e agrupamentos. A proposta do BE destina-se “aos agrupamentos de escola e às escolas não agrupadas da rede pública”, bem como aos estabelecimentos de ensino particular e cooperativo com contrato de associação com o Estado.

Os bloquistas querem, no entanto, que a definição do número de alunos e de turmas por docente, assim como os critérios para de um eventual desdobramento de turmas e da abertura de disciplinas de opção e de cursos do ensino secundário, sejam adaptados às “condições criadas pela estratégia de contenção da Covid-19”. Este processo deve, segundo o BE, ser feito “mediante negociação” com as organizações sindicais de professores e educadores.

“A este esforço da Escola Pública para continuar a responder pela igualdade social e pelo desenvolvimento do país tem de corresponder um esforço de investimento por parte do Governo e do Ministério da Educação para o reforço de recursos humanos e materiais. Não seria aceitável que, por opções orçamentais, se negasse o direito à educação a todas as crianças do país”, acrescenta o BE.

O BE sublinha que o ensino à distância tem “limitações” e acentua “desigualdades”, no que toca ao acesso diferenciado a meios informáticos, acesso e qualidade do acesso à Internet, apoio familiar e condições desiguais de habitação. Os bloquistas notam ainda que “a socialização com os pares e com os docentes, dentro e fora das salas, é um contributo insubstituível no percurso de desenvolvimento das crianças e jovens”.

“O empenho das comunidades educativas durante este período [de pandemia] é assinalável. A resposta de emergência, porém, não pode ser prolongada no tempo sem que isso acarrete graves prejuízos para as alunas e os alunos dos diversos anos letivos”, defendem os bloquistas, insistindo na necessidade de os alunos regressarem às aulas presenciais.

Ler mais
Recomendadas

Líderes europeus querem evitar a todo o custo novo encerramento de fronteiras, sublinha António Costa

No final do Conselho de Ministros extraordinário desta quinta-feira, António Costa explicou os compromissos e estratégias acertadas entre os líderes dos 27 estados-membros do bloco europeu, sublinhando que a responsabilidade de conter a pandemia e evitar o colapso dos sistemas de saúde é, agora, de cada um “individualmente”.

França vai gastar 15 mil milhões de euros com medidas de contenção para conter novo coronavírus

“Vamos reforçar todos os dispositivos de ajuda”, afirmou o governante, especificando que seis mil milhões respeitam a fundos de solidariedade, sete mil milhões para desemprego parcial (o designado ‘lay-off’), mais de mil milhões para exonerações de contribuições sociais e outro tanto para assumir custos de empresas com alugueres.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.
Comentários