Benfica SAD diz que “não está em condições de avaliar” se investidor norte-americano pode ser impedido de entrar

O clube disse que operação de compra é “inoportuna” e a SAD admitiu que não tem condições para avaliar se o investidor cumpre o nº4 do artigo 13 dos estatutos da cotada encarnada.

José Sena Goulão/Lusa

A Benfica SAD admite que “não está em condições de avaliar” se o investidor norte-americano interessado em entrar no capital da cotada pode ser impedido de entrar. Na adenda ao prospeto da emissão obrigacionista, a SAD encarnada disse também que “desconhece as intenções” de John Textor. O investidor disse esta semana que continua interessado em comprar 25% da Benfica SAD por 50 milhões de euros.

“A tomada de conhecimento do interesse do Senhor John Textor na Benfica SAD, num cenário que, como referido, já era causador de instabilidade, e a invocação pelo mesmo do artigo 13.º dos estatutos da Benfica SAD, aplicável à aquisição de participações qualificadas por “entidades concorrentes” à sua própria aquisição de ações da Benfica SAD, assim como o ruído mediático em torno desta situação inusitada, contribuíram para agudizar um clima de volatilidade das notícias em torno da Benfica SAD, igualmente causador de perturbação”, segundo a adenda divulgada na CMVM pela cotada.

A Benfica SAD afirma que “desconhece as intenções do senhor John Textor e não está em condições de avaliar se lhe é aplicável o mencionado artigo dos Estatutos da Benfica SAD, sendo certo, porém, que o SL Benfica informou o Emitente de que considera esta manifestação de interesse inoportuna e não pretende iniciar qualquer diálogo com o referido investidor”.

Sobre o artigo 13º dos estatutos da cotada, a SAD das águias destacou que a “qualificação ou não como “entidade concorrente” poderá ser objeto de discussão e dúvidas, assim como qualquer deliberação social tomada sobre esta matéria em sede de Assembleia Geral da Benfica SAD, uma vez mais causadora de ruído mediático adverso à Benfica SAD, embora, como referido, tenha sido o próprio senhor John Textor a invocá-la quando transmitiu à Benfica SAD e à CMVM, em 12 de julho de 2021, a correspondente notificação de participação qualificada”.

Quem manda na SAD? O Sport Lisboa e Benfica detém 67% da Benfica SAD (SL Benfica com 40%, Benfica SGPS com 23,65% e Luís Filipe Vieira com 3,28%) seguindo-se José António dos Santos com 13,62%, José da Conceição Guilherme com 3,73%, Quinta dos Jugais com 2%, Grupo Valouro com 1,96% e Avibom com 0,75%.

A emissão obrigacionista da Benfica SAD decorre até ao dia 23 de julho, e as ordens de compra poderão ser revogadas ou alteradas até ao último dia da oferta. A emissão tem um montante global de 35 milhões de euros, a um prazo de três anos, pagando uma taxa de juro de 4%. A emissão vai ter lugar a 28 de julho.

A Benfica SAD disse que a nova informação “será refletida na adenda ao prospeto aprovado em 1 de julho de 2021, cuja aprovação foi solicitada pela Benfica SAD à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Conforme transmitido anteriormente, essa adenda indicará que os investidores que tenham transmitido ordens de subscrição no âmbito da oferta pública de subscrição de obrigações à qual se refere o mencionado prospeto poderão revogá-las ou alterá-las até ao último dia da oferta (inclusive), ou seja, 23 de julho de 2021”.

Textor argumenta que não pode ser considerado “entidade concorrente”

No comunicado divulgado esta semana, John Textor disse que o número 4 do artigo 13 dos estatutos da Benfica SAD “foi criado para garantir que o Sporting CP não se tornasse um acionista” da cotada. “Não foi criado para rejeitar que investidores possam vir para o Benfica porque já têm um amor pelo futebol, com investimentos ou atividades no desporto que podem claramente ajudar o SL Benfica com boas ideias”.

“Eu pedi à administração para deixar de brincar com a definição de entidade concorrente e que desse a sua benção, antecipadamente, à minha compra de ações a José António dos Santos”, escreveu o norte-americano.

O empresário enumerou vários interesses seus que podem ser considerados concorrentes, mas garantiu que não constituem qualquer tipo de concorrência ao Benfica. Sobre a sua academia de futebol nos EUA (FC Florida Preparatory Academy), Textor disse que não pode ser considerada uma entidade competitiva porque se trata de uma organização não lucrativa criada com o objetivo de usar jovens de famílias com dificuldades financeiras a usarem o futebol para obterem bolsas de estudo em universidades norte-americanas. Em relação à fuboTV (serviço de transmissão televisiva nos EUA focada no desporto), onde foi o acionista maioritário, o empresário argumentou que já se retirou da empresa em outubro de 2020, não tendo atualmente qualquer afiliação. Sobre os interesses em comprar participações nos clubes ingleses Fulham e Crystal Palace, Textor garantiu que não detém qualquer participação em nenhum clube de futebol atualmente, acrescentando que está interessado em tornar-se num acionista minoritário de um clube inglês.

SL Benfica disse que investimento de Textor é “inoportuno”

A administração do SL Benfica fechou hoje a porta à entrada do investidor norte-americano no clube. John Textor voltou a garantir que estava interessado em comprar 25% da Benfica SAD por 50 milhões de euros, mas os encarnados rejeitam esta possibilidade.

“Uma vez que o investidor John Textor invoca que a referida compra depende de aprovação prévia em Assembleia Geral da Benfica SAD com o voto favorável do Sport Lisboa e Benfica com base no referido art. 13.º dos estatutos da Benfica SAD, a Direção do Sport Lisboa e Benfica, na sua reunião de hoje, declara considerar inoportuna esta operação”, segundo comunicado do SL Benfica.

A administração do clube avisa que se vai opor “no exercício dos seus direitos e deveres, caso esta matéria venha a ser sujeita a deliberação em Assembleia Geral de Acionistas da Benfica SAD, tornando pública esta sua decisão de imediato por entender que a mesma contribui para esclarecer a posição do Sport Lisboa e Benfica a este respeito, evitando-se assim dúvidas e especulações”.

“Neste contexto, a Direção do Sport Lisboa e Benfica esclarece ainda que considera inoportuno receber, de maneira formal ou informal, o Sr. John Textor nesta altura”, acrescenta.

Relacionadas

Benfica fecha a porta do clube a investidor norte-americano (com áudio)

A direção do clube também diz ser “inoportuno” receber John Textor nesta altura que disse que estava disposto a investir 50 milhões para comprar 25% da SAD encarnada.

Investidor norte-americano garante que continua disposto a pagar 50 milhões por 25% da Benfica SAD (com áudio)

John Textor garante que continua interessado em entrar no capital do clube encarnado. “O Sport Lisboa e Benfica está entre os clubes de futebol mais valiosos do mundo”.

Ações do Benfica disparam mais de 19% com saída de Vieira e interesse de norte-americano

Na primeira sessão depois da saída de Vieira do clube e da SAD ao fim de 18 anos na liderança, as ações encarnadas dispararam.

Benfica SAD desacelera ganhos na bolsa de Lisboa depois de clube fechar a porta a investidor norte-americano (com áudio)

Apesar de ter desacelerado depois de o clube ter rejeitado o interesse de John Textor, a cotada valoriza 15% na primeira sessão depois de Luís Filipe Vieira ter anunciado a sua saída da liderança do clube ao fim de 18 anos.
Recomendadas

“É um caso único ter seis clubes na I Liga. O Minho tem grande paixão pelo futebol”, garante presidente da AF Braga

Na última edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma multimédia JE TV, convidámos Manuel Machado, presidente da Associação de Futebol de Braga, para perceber o que está por trás desta preponderância do distrito bracarense no principal escalão do futebol português.

“Não podemos pagar estes ordenados”. Ex-FC Porto autorizado pelo Galatasaray a procurar novo clube

Um salário anual de cinco milhões de euros já tinha gerado desconforto em 2019, ano em que Falcao chegou à Turquia para assinar pelo Galatasaray. A crise financeira aliada à eliminação da Liga dos Campeões, coloca o avançado na porta de saída.

La Liga cede participação de 10% à CVC Capital Partners por 2,7 mil milhões de euros

O acordo alcançado com a CVC Capital Partners avalia a La Liga em 24,250 mil milhões de euros, com a La Liga a prever que o negócio permita atenuar os efeitos da pandemia da Covid-19 na principal liga espanhola.
Comentários