Berardo disse que a CGD nunca lhe pediu comprovativo da fortuna pessoal

Joe Berardo está a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos. O empresário deve 962 milhões de euros à banca nacional.

O PS está a questionar Joe Berardo sobre os processos da Metalgest e da Fundação Berardo. “O que está aqui em causa são estes dois processos que figuram no topo 25 dos créditos ruinosos” identificados pela EY na auditoria feita ao banco público entre 2000 e 2015, disse o deputado socialista.

Estes dois créditos totalizaram 350 milhões de euros e geraram 150 milhões, registadas nas contas do banco público em 2015.

Berardo assinalou que ficou desagrado com uma conversa que teve com Jardim Gonçalves que, estava no Banco Atlântico, que estava à procura de informações privilegiadas para formar outra instituição. “Com homens destes eu não me quero meter”, disse o empresário madeirense.

Pitta Ferraz propôs depois a Berardo que comprasse obrigações da Metalgest. “Anos depois, foram convertidas, mas eu vendi tudo, porque não estava a gostar da forma como aquilo estava a andar”, disse Berardo. “Fiz dinheiro”, adiantou.

“Se quiserem um dia, que contasse as minhas histórias do passado, teria muito gosto. Sou disléxico e tenho dificuldades às vezes com algumas coisas”, ressalvou o empresário madeirense.

O deputado do PSD quis saber quem foi bater à porta de Berardo para lhe dar crédito da CGD. “Está escrito que foi a Caixa Geral que propôs o negócio a nós”, diz Berardo. O PSD questionou: “então foram bater à sua porta, da Caixa? Quem?” E a resposta foi “Cabral dos Santos” (diretor da Caixa Geral de Depósitos). “Enquanto português, eu tentei ajudar os bancos a certa altura”, diz Berardo.

O PS voltou à carga e perguntou como é que Joe Berardo entrou no BCP, através da Metalgest, nomeadamente, “quem é que foi à sua procura” para esta operação de financiamento? Quem sugeriu o financiamento para comprar ações do BCP? Berardo? Cabral dos Santos?

“Quando eles nos vieram falar connosco, nós fizemos uma proposta a eles. E depois eles fizeram uma contraproposta dois ou três meses depois”. E quem sugeriu o financiamento para comprar ações do BCP? Berardo? Cabral dos Santos?

“Quando eles nos vieram falar connosco, nós fizemos uma proposta a eles. E depois eles fizeram uma contraproposta dois ou três meses depois”, diz Berardo.

“Eu tinha reuniões…quando uma pessoa faz negócios…Foi o Filipe Pinhal”, disse. “Eu acho que foi o Pinhal que organizou” que os contactos fossem feitos, com vista ao investimento no BCP.

O PS não recuou e salientou que é importante para a comissão parlamentar de inquérito saber quem é que deu o primeiro passo e perguntou, dentro da CGD, com quem é que o comendador se relacionava.

“Eram financeiros. Era almoço, era falar de negócios, essas coisas…”. “Um está na América”, frisou.

Quando questionado sobre os nomes, Berardo disse que pode “tentar ver as datas em que isso aconteceu e dar-lhes os nomes”.

Berardo referiu que “não tinha um negócio” apenas, e que “tinha muita gente” a tratar deles. Assim, teria de ir verificar para responder às perguntas colocadas pelos socialistas.

O deputado insistiu em tentar saber se a CGD pediu um aval pessoal a Joe Berardo por ocasião do primeiro empréstimo. “O que havia na altura, era o aval. E, depois, dispensava-o”, retorquiu Joe Berardo. “A fundação não deu aval. Não foi acordado (…), foi dispensado”, respondeu o empresário.

“Foi-lhe solicitado algum documento que fosse comprovativo da sua fortuna pessoal?”, perguntou o deputado do PS. “Não”, respondeu Berardo.

O PSD quis ainda saber sobre a reunião no Banco de Portugal, em dezembro de 2007, em que se discutiu a mudança de administração do BCP. “Eu estive presente em diversas reuniões com o Banco de Portugal a alertar para as situações, para a crise que havia. O Banco de Portugal foi… alertei para diversas situações, depois de ter investido [no BCP]”, disse Berardo.

“O Banco de Portugal recusou que o nome de Filipe Pinhal liderasse uma lista e comunicou aos acionistas (portugueses) que tinham mais de 2% que propusessem um nome. Aí, Carlos Santos Ferreira surgiu como o nome consensual”. Todos concordaram… BPI, EDP, Teixeira Duarte. Jardim Gonçalves etc…

“Não faz sentido” sugerir que o nome de Carlos Santos Ferreira já estava escolhido antes dessa reunião.

(atualizada)

Ler mais
Relacionadas

Joe Berardo no Parlamento só fala dos créditos à porta fechada

Joe Berardo está a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos. O empresário deve 962 milhões de euros à banca nacional.

Inquérito à Caixa: Veja aqui em direto as declarações de Joe Berardo

Segundo a auditoria da EY à gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015, o banco público tinha neste ano uma exposição a Joe Berardo e à Metalgest, empresa do seu universo, na ordem dos 321 milhões de euros. Veja aqui a audição parlamentar ao empresário.

Joe Berardo sobre CPI da Caixa: “Para mim tanto faz ir ao Parlamento”

Empresário madeirense é apontado como um dos maiores devedores do banco público com créditos de 350 milhões de euros que acabaram por se revelar ruinosos. Vai hoje à nova comissão de inquérito à Caixa dar as suas explicações numa audição que, diz, “tanto me faz” ainda que considere que possa ser “uma maneira de esclarecer a verdade”.
Recomendadas

Morgan Stanley regista lucro e receita acima do esperado no quarto trimestre

A receita, por sua vez, subiu de 10,9 mil milhões de dólares nos últimos três meses de 2019 para 13,6 mil milhões nos meses de outubro a dezembro do ano passado, superando as previsões dos analistas.

BEI mobiliza 50 mil milhões de euros para ajudar PME no primeiro semestre

O Banco Europeu de Investimento (BEI) planeia mobilizar cerca de 50.000 milhões de euros de financiamento no primeiro semestre para ajudar as PME através do novo fundo de garantia criado para lidar com as consequências da pandemia, foi anunciado.

Goldman Sachs e Bank of America surpreendem nos lucros em plena pandemia

Os maiores bancos dos Estados Unidos resistiram à recessão trazida pela pandemia do coronavírus, mas não ficaram imunes às baixas taxas de juro que a crise gerou. O Goldman Sachs teve a melhor receita de ‘trading’ de ações em 10 anos o que compensou a atividade bancária.
Comentários