Berardo: “Se eles [CGD] quiserem levar a garagem podem levar”

Joe Berardo revelou ainda que já está a correr uma ação executiva à Metalgest pela CGD no Funchal e que ainda “não foi citado pelos outros bancos”.

A CGD só encontrou uma garagem no Funchal quando tentou executar bens, segundo foi noticiado. Joe Berardo explicou que deu ações da Quinta da Bacalhôa e da Empresa Madeirense de Tabacos ao BCP. “Ao BES dei prédios no Funchal”, acrescentou. A CGD ficou com 40% da Associação Coleção Berardo.

Como a Quinta da Bacalhôa, a Empresa Madeirense de Tabacos e imóveis na Madeira, foram dados como garantias a outros bancos que já tinham a hipoteca, a Caixa só encontrou depois a famosa garagem no Funchal.

Perante a insistência dos deputados respondeu em tom de graça: “Se eles [CGD] quiserem levar a garagem podem levar”.

As coisas que estão em seu nome estão penhoradas, disse Berardo depois de esclarecido pelo advogado André Luiz Gomes.

O empresário Joe Berardo considerou hoje na comissão de inquérito que a sua situação creditícia tem servido como bode expiatório para os problemas que afligiram a CGD nos últimos anos, segundo a declaração lida pelo seu advogado.

“O mais prejudicado aqui fui eu. Podia ter comprado mais quadros se não tivesse entrado neste negócio com a CGD”, disse Berardo, referindo-se ao empréstimo de 350 milhões da CGD.

Os três bancos (BCP, CGD e BES) reclamam mais de 960 milhões de euros a Joe Berardo, essencialmente por dívidas da Fundação Berardo e da empresa Metalgest.

Segundo a auditoria da EY à gestão da CGD entre 2000 e 2015, o banco público tinha neste ano uma exposição a Joe Berardo e à Metalgest, empresa do seu universo, na ordem dos 321 milhões de euros.

Os empréstimos a Joe Berardo serviram para financiar a compra de ações do BCP, naquilo que alguns deputados classificaram de “assalto” ao banco, em 2007, cuja garantia eram as próprias ações, e que depois desvalorizaram praticamente na totalidade, gerando grandes perdas para o mutuário e para o banco público, uma vez que Berardo entrou em incumprimento com a banca.

Por que acha que só o banco público aceitou apenas títulos da Associação dona da coleção Berardo? Questionou o deputado do PCP. “Não sei”, disse Berado. “Eu não sei o que vai na cabeça daquelas instituições”.

Depois surgiu o tema da alteração de estatutos levada a cabo por Joe Berardo na Associação Coleção Berardo, que impede os bancos de venderem títulos, sem o acordo de Joe Berardo. O comendador diz que fez isso para proteger a sua coleção e não quer dar as suas obras aos bancos “porque eles não saberão fazer uma boa gestão delas. Se eu fosse dar a eles para vender, sem saber o que estão a fazer…”,  desabafou Joe Berardo.

“Tinha medo que os bancos vendessem os penhores aos fundos de reestruturação”, disse.

“Um dia, quando for vendido, o valor vai ser dividido”, revelou.

Joe Berardo confirmou que houve um aumento de capital já depois de ter dado a penhora de 75% dos títulos da associação aos bancos credores. Joe Berardo não revela quem participou nesta operação, fala em “várias pessoas”.

O aumento de capital diluiu a posição dos bancos na associação dona do coleção de arte conhecida como “Coleção Berardo”, e assim os bancos deixaram de ser maioritários na associação.

Além do aumento de capital, que dilui a participação dos bancos (era de 75% no contrato de penhor), a alteração aos estatutos determinou que sem o consentimento da maioria da assembleia geral (51%) não pode haver transmissão dos títulos (unidades de participação).

A deputada Mariana Mortágua tinha perguntado sobre a possibilidade de os bancos executarem a Associação Coleção Berardo. “Se o fizerem ficam com a maioria dos votos na associação?”, perguntou. “Não sei. Ainda não executaram. Quando o fizeram logo se vê”, disse Berardo.

Mas com 75% dos títulos têm direito a ter a maioria dos votos numa assembleia-geral da Associação? “Eles pensam que têm a maioria [dos votos na Associação], mas não têm”, responde Berardo.

No fim da audição Berardo voltou a queixar-se que os bancos não acionaram o mecanismo de stop loss, que dava aos bancos direito a venderem as ações do BCP assim que elas começassem a desvalorizar e a degradar o colateral do empréstimo, e que não o fizeram porque “podia estar em causa a estabilidade do sistema financeiro português”. Não identificou quem lhe deu esta resposta, mas quem lha deu referia-se provavelmente ao facto de a venda das ações provocar a queda abrupta dos títulos do BCP.

Berardo revelou ainda que já está a correr uma ação executiva à Metalgest pela CGD no Funchal e que ainda “não foi citado pelos outros bancos”.

A CGD, BCP e Novo Banco entregaram no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa uma ação executiva para cobrar dívidas de Joe Berardo, de 980 milhões milhões de euros. A ação tem como executados o empresário José Berardo, a Fundação José Berardo, a Metalgest e a Moagens Associadas.

 

Ler mais
Relacionadas

“Eu pessoalmente não tenho dívidas, claro que não tenho dívidas”, disse Joe Berardo

Joe Berardo esteve no Parlamento a responder às questões dos deputados no âmbito da comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da Caixa Geral de Depósitos. Face às respostas de Joe Berardo, Mariana Mortágua mostrou-se incrédula e disse “não compreendo quem é que está a enganar quem”.

Metalgest tinha EBITDA negativo e volume de negócios de 50 mil euros e recebeu um crédito de 50 milhões. Porquê? Perguntem à CGD

Pedi dinheiro para comprar ações e “não deu certo. Não sou o único”, disse Berardo. Já inicialmente o advogado de Berardo, André Luiz Gomes tinha dito que a Caixa tinha penhor sobre as ações do BCP com mandato para vender. “Se a Caixa tivesse usado essa prerrogativa, e vendido quando as ações deixaram de cobrir valor dos empréstimos, não teria registado perdas”, disse.

Berardo disse que a CGD nunca lhe pediu comprovativo da fortuna pessoal

Joe Berardo está a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos. O empresário deve 962 milhões de euros à banca nacional.

Joe Berardo no Parlamento só fala dos créditos à porta fechada

Joe Berardo está a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos. O empresário deve 962 milhões de euros à banca nacional.
Recomendadas

Novo Banco confirma que a venda carteira de malparado Nata II foi autorizada pelo Fundo de Resolução

O banco confirma assim a notícia avançada hoje pelo Jornal Económico. O Novo Banco já registou nas contas a venda da carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.

Portugueses recorrem cada vez mais ao crédito. 635 milhões em setembro

Os portugueses recorreram mais ao crédito no mês de setembro num total de 635 milhões de créditos contraídos. De acordo com uma nota publicada pelo Banco de Portugal esta sexta-feira, 15 de novembro, relativa à evolução dos novos créditos aos consumidores, os portugueses pediram um total de 295 milhões de euros em crédito pessoal, num […]

PremiumFundo de Resolução autoriza venda do Nata II

Novo Banco já registou nas contas a venda da carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.
Comentários