Bernard Ebbers, o “quinto pior presidente executivo da história dos Estados Unidos”, saiu em liberdade da prisão após 13 anos

O esquema fraudulento tinha permitido que a WorldCom reportasse lucros consecutivos e aumentasse o valor das suas ações. A fraude foi descoberta em 2001 quando rebentou a chamada “bolha tecnológica” que revelou uma divida de 41 mil milhões de dólares na, então, segunda maior empresa de telecomunicações dos Estados Unidos.

Após 13 anos na prisão, Bernard Ebbers, ex-presidente executivo da WorldCom, foi libertado quando ainda lhe faltavam 12 anos para cumprir, dá conta o “Jornal de Negócios” esta sexta-feira, 20 de dezembro. As razões que levaram a juíza a ponderar a libertação do ex-executivo foram a saúde debilitada em que já se encontrava. Ebbers foi preso em 2002 depois da WorldCom, à época a segunda maior telecom dos EUA, ter assumido uma fraude no valor de superior a três mil milhões de dólares.

O esquema fraudulento tinha permitido que a WorldCom reportasse lucros consecutivos e aumentasse o valor das suas ações. A fraude foi descoberta em 2001 quando rebentou a chamada “bolha tecnológica” que revelou uma divida de 41 mil milhões de dólares na empresa.

Em 2009, Ebbers foi eleito pela revista “Time” como o décimo diretor executivo mais corrupto da história dos Estados Unidos e, em 2013, a “CNBC” atribuiu-lhe o título de “quinto pior presidente executivo de sempre de uma empresa dos Estados Unidos”.

Recomendadas

“O racismo é veneno”. Merkel reage aos ataques em Hanau, na Alemanha

Também a presidente da Comissão Europeia condenou os ataques que provocaram 11 mortos esta quarta-feira. Além das 11 vítimas mortais, quatro pessoas ficaram feridas. Entre os mortos estão o autor dos disparos e a mãe do atacante.

Vendas de batatas fritas galegas disparam 150% depois de aparecerem no filme coreano Parasitas

A Bonilla a la vista, empresa de Arteixo na Galiza fundada em 1932, viu as vendas dispararem à medida que o filme Parasitas granjeou sucesso e venceu quatro Óscars, incluindo melhor filme.

Assassínio de Olof Palme pode ficar resolvido este ano

“Acreditamos ter uma ideia bastante clara do que aconteceu”, diz o Ministério Público sueco, encarregado de investigar a morte do primeiro-ministro, sucedida em 1986. Era um dos amigos ‘internacionais’ de Mário Soares.
Comentários