Biden diz que substituição no Supremo antes das eleições é “exercício de poder brutal”

“Se o Presidente Trump insiste em dar um nome, o Senado não deverá agir antes que os americanos possam escolher o seu próximo Presidente e o seu próximo Congresso”, prosseguiu o antigo vice-presidente de Barack Obama, que lidera as sondagens nacionais para a corrida à Casa Branca.

WILMINGTON, DELAWARE – SEPTEMBER 02: Democratic presidential nominee Joe Biden speaks on the coronavirus pandemic during a campaign event September 2, 2020 in Wilmington, Delaware. Biden spoke on safely reopening schools during the coronavirus pandemic. (Photo by Alex Wong/Getty Images)

O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, afirmou hoje que substituir a juíza Ruth Bader Ginsburg no Supremo antes das eleições presidenciais é um “exercício de poder brutal” e apelou aos republicanos moderados para que respeitem as obrigações constitucionais.

No sábado, Biden já tinha defendido que deveria ser o próximo Presidente dos Estados Unidos, eleito a 3 de novembro, a escolher o substituto ou substituta da vaga deixada por Ginsburg, que morreu na sexta-feira, no Supremo.

O desejo do Presidente Donald Trump de substituir a juiza antes das eleições de 3 de novembro é “um exercício de poder político brutal”, afirmou Joe Biden, numa intervenção em Filadélfia.

“É uma questão de poder. Pura e simplesmente”, acrescentou Joe Biden.

“Se o Presidente Trump insiste em dar um nome, o Senado não deverá agir antes que os americanos possam escolher o seu próximo Presidente e o seu próximo Congresso”, prosseguiu o antigo vice-presidente de Barack Obama, que lidera as sondagens nacionais para a corrida à Casa Branca.

Num tom áspero, Joe Biden criticou também o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, depois de este ter anunciado “na hora do anúncio da morte” de “RBG”, como era conhecida Ruth Bader Ginsburg, que iria organizar uma votação para a sua substituição e reforçar o conservadorismo no Supremo Tribunal.

O líder republicano tinha recusado a audiência de um juiz nomeado para o Supremo Tribunal, em 2016, nomeado pelo então presidente democrata Barack Obama, argumentando tratar-se de um ano eleitoral, “e muitos senadores republicanos concordaram”, acrescentou.

“Eles não podem mudar o seu caminho, quatro anos depois, só porque isso serve os seus interesses”, criticou Biden.

“Não sou ingénuo, não estou a falar com o Presidente Trump”, nem com Mitch McConnell, mas “com um punhado de senadores republicanos” que “sabem no fundo o que é bom para o seu país”, referiu.

“Respeitem as vossas obrigações constitucionais, sigam a vossa consciência”, apelou.

De acordo com a Constituição norte-americana, o Presidente nomeia os juízes vitalícios para o Supremo Tribunal e o Senado é responsável por confirmar a sua escolha.

O Partido Republicano tem 53 dos 100 eleitos, mas duas senadoras republicanas moderadas já anunciaram que não pretendem participar na votação antes da eleição, o que complica a equação para Donald Trump.

Na sequência da morte de Ginsburg, a mais alta instância judicial dos Estados Unidos integra oito juízes: três progressistas e cinco conservadores.

Ler mais
Recomendadas

Japão promete neutralidade de carbono até 2050

O primeiro-ministro nipónico não apresentou um calendário específico para alcançar este equilíbrio entre as emissões de gases com efeito de estufa e a sua absorção, mas mencionou a importância da tecnologia.

Estado australiano foco da pandemia levanta confinamento a partir de terça-feira

O confinamento foi decretado em julho, quando o número de novos casos era de cerca de 190 por dia, número que subiu para 700 em agosto.

Alemanha regista 8.685 novas infeções nas últimas 24 horas

O número de novas infeções registadas hoje é o dobro dos 4.325 novos casos contabilizados na segunda-feira da semana passada.
Comentários