Bielorrússia: Novo dia de protestos depois das eleições resulta em dezenas de detenções

As forças policiais, que isolaram a praça da Independência, numa zona central de Minsk, procedeu à detenção quer de manifestantes que estavam a pé, quer aqueles que se deslocavam de bicicleta, segundo noticiam meios de comunicação locais.

Protestos na Bielorrússia após eleição de Lukashenko para o sexto mandato consecutivo | EPA/Tatyana Zenkovich/Lusa

Dezenas de pessoas foram hoje detidas na Bielorrússia em nova jornada de manifestações devido à reeleição polémica do Presidente daquele país, Alexander Lukashenko, que a oposição acusa ser uma fraude.

As forças policiais, que isolaram a praça da Independência, numa zona central de Minsk, procedeu à detenção quer de manifestantes que estavam a pé, quer aqueles que se deslocavam de bicicleta, segundo noticiam meios de comunicação locais.

Em alguns casos, as forças de intervenção utilizaram cassetetes para controlar os manifestantes, a sua maioria jovens, noticia a agência EFE.

A imprensa local disse ainda que no centro da capital ocorreram também confrontos entre os manifestantes e a polícia, numa zona onde diversos comércios e centros comerciais fecharam portas.

A polícia utilizou balas de borracha, granadas de atordoamento e gás lacrimogéneo para dispersar a multidão, e os órgãos de comunicação locais registaram a presença de atiradores furtivos nos telhados de alguns edifícios.

Vários jornalistas também foram presos, quer locais quer estrangeiros, como foi o caso de um repórter do canal russo RT.

Próximo do obelisco de Minsk, um dos centros nevrálgicos dos protestos pós-eleitorais, não se encontra praticamente nenhum manifestante, já que a polícia isolou o local e instalou camiões com mangueiras de água nas suas imediações.

Os protestos também aconteceram em outras cidades da Bielorrússia, como Brest e Grodno, onde cerca de 20 jovens foram detidos e levados para as esquadras em veículos policiais.

A candidata da oposição na Bielorrússia, Svetlana Tikhanovskaia, rejeitou os resultados oficiais das presidenciais de domingo e pediu ao Presidente, considerado o vencedor, que ceda os comandos do país.

A política incentivou ainda os bielorrussos que “acreditam que o seu voto foi roubado” a “não ficarem calados”.

Após ter pedido aos bielorrussos no domingo à noite para “terminarem com a violência”, Svetlana Tikhanovskaia pediu hoje às autoridades para não utilizarem a força contra os cidadãos.

Os porta-vozes da líder da oposição descartaram a sua participação nos protestos, com o objetivo de evitar “provocações”.

O Ministério do Interior assinalou cerca de 3 mil detenções na madrugada de domingo para segunda-feira durante os protestos, e instaurou mais de 20 processos penais por agressões a forças de segurança.

As autoridades bielorrussas anunciaram hoje oficialmente a vitória, com 80,23% dos votos, de Alexander Lukashenko, há 26 anos no poder e reeleito para um sexto mandato, após uma eleição presidencial marcada por fortes suspeitas de irregularidades.

 

Ler mais
Relacionadas

Bielorrússia. Amnistia Internacional pede investigação a violência sobre manifestantes pacíficos

A Amnistia Internacional veio denunciar a constante violência pós eleitoral por parte da polícia na Bielorrússia, argumentando que “todas as formas de dissidência pacífica são brutalmente reprimidas”. A ONG vem assim pedir a libertação imediata de manifestantes pacíficos e ativistas políticos.

Polónia apela a cimeira extraordinária da UE após os protestos ocorridos na Bielorrússia

A Polónia apelou esta segunda-feira a uma cimeira extraordinária da União Europeia sobre a situação na Bielorrússia, após os protestos ocorridos na noite de domingo em Minsk contra os resultados das presidenciais.

Bielorrússia. Putin felicita Lukashenko pela vitória nas presidenciais

O Presidente russo, Vladimir Putin, enviou esta segunda-feira, felicitações ao homólogo bielorrusso, Alexander Lukashenko, proclamado vencedor das eleições de domingo, cujos resultados estão a ser contestados pela oposição.
Recomendadas
tik tok

Tik Tok lança guia para combater ‘fake news’ nas presidenciais norte-americanas

A empresa admite que “não é a aplicação ideal para notícias de última hora ou política” mas explica que sabe que “um lar onde os norte-americanos se expressam”. O objetivo é apoiar os utilizadores com informações credíveis sobre questões públicas dos Estados Unidos.

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.
Comentários