Bloco de Esquerda propõe campanha para divulgar estatuto do cuidador informal

O deputado do Bloco de Esquerda José Soeiro lembrou “que existem 191 pedidos a nível nacional, num universo de 800 mil cuidadores informais, dos quais 250 mil são a tempo inteiro” e classificou a situação como “irrisória”

O deputado do Bloco de Esquerda, José Soeiro, anunciou, a 13 de julho, que o partido vai sugerir, ainda esta semana, na Assembleia da República, a criação de uma campanha de divulgação do estatuto de cuidador informal, segundo artigo publicado na página do partido.

“O facto de existirem 191 pedidos a nível nacional, num universo de 800 mil cuidadores informais, dos quais 250 mil são a tempo inteiro, é irrisório. Vamos propor que seja criada uma campanha de divulgação do estatuto e respetivos apoios, como foi feito há alguns anos com o complemento solidário para idosos”, disse o deputado do Bloco à Lusa.

José Soeiro referiu que “mesmo nos concelhos de Matosinhos e Penafiel com projetos-piloto na área dos cuidadores informais, não estará a existir recurso a pedidos de subsídio”.

“O estatuto do cuidador informal, que foi aprovado em Julho de 2019, previa que tivessem começado a 1 de abril de 2020 projetos-piloto, em 30 concelhos do país”, recordou o deputado do Bloco de Esquerda que apontou ainda que os “projetos implicam medidas de apoio, que incluem a atribuição de “profissionais de referência, da área da Saúde e da Segurança Social, que farão um plano de intervenção que irá incluir medidas de acompanhamento, aconselhamento, capacitação e formação para o cuidador”.

Relacionadas

Transcrição da audição de Centeno para governador do Banco de Portugal ocupa 91% relatório da COF

Relatório da audição de Mário Centeno é meramente descritivo e não faz qualquer conclusão sobre a adequação do ex-ministro das Finanças para o cargo de governador do Banco de Portugal. Bloco de Esquerda vai votar contra, pois relatório “reduz Assembleia da República a uma secretaria”, garante Mariana Mortágua.

Todos saíram a perder em Madrid com as eleições na Galiza e no País Basco

Partidos que integram a coligação que governa Espanha tiveram notícias entre o mau e o catastrófico, mas até o líder da oposição de centro-direita, Pablo Casado, teve motivos para ficar preocupado apesar de nova maioria absoluta do PP na Galiza.
Recomendadas

“Silêncio de hoje tornará inoportunas críticas de amanhã”. PS lamenta falta de ideias da direita para fundos europeus

O secretário-geral adjunto do Partido Socialista (PS), José Luís Carneiro, lamenta que, até ao momento, os partidos da direita não tenham apresentado qualquer ideia e lembra que a apresentação de propostas termina no final de agosto.

PremiumQueda da população ativa pode impedir recuperação económica rápida

A taxa de desemprego desceu no segundo trimestre, mas o impacto da pandemia no turismo e o aumento da concorrência global na era do teletrabalho preocupam os especialistas consultados pelo JE.

André Ventura rejeita qualquer hipótese de entendimentos entre o Chega e o PSD ou CDS-PP

O presidente demissionário e deputado único do Chega, André Ventura, diz que o Chega “não está à venda” nem tem intenção de se tornar “o CDS do século XXI” e deixa a mesma resposta para o PSD e CDS-PP: “Não obrigado, não queremos nem aceitamos” acordos ou entendimentos.
Comentários