Bloco de Esquerda quer que transportes coletivos sejam gratuitos

Segundo Catarina Martins o BE quer “começar por garantir os passes gratuitos a quem está desempregado, estender depois a todos os menores de 18 e a todos os maiores de 65 anos”.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, disse que o partido pretende criar um plano para que os transportes públicos sejam gratuitos.

À margem da reunião com a administração da Carris, esta sexta-feira, Catarina Martins propôs criar um plano “para a gratuitidade dos transportes coletivos que nos permita libertar as cidades do carro individual”.

“Começar por garantir os passes gratuitos a quem está desempregado, estender depois a todos os menores de 18 e a todos os maiores de 65 anos e com isso criar um plano, a prazo, consistente, para a gratuitidade dos transportes coletivos que nos permita libertar as cidades do carro individual e que nos permita também fazer uma transição de mobilidade, uma transição energética, que é imprescindível no nosso tempo”, explicou a bloquista.

A líder do BE destacou “o percurso extraordinário que foi possível fazer com os transportes nestes últimos quatro anos”, mas também enalteceu a Carris tem mais 400 motoristas do que há quatro anos. Para Catarina Martins “isto significa o aumento da frota, a sua modernização e um aumento das linhas”.

Catarina Martins recordou ainda que, em 2017, “estava preparada a privatização da Carris, depois de um longo período em que foi diminuindo a oferta de transportes e os passes aumentaram de preço de uma forma vertiginosa”.

Relacionadas

Catarina Martins diz que enviar diplomas sobre professores para o TC “não tem nenhum sentido”

A coordenadora do BE considerou esta sexta-feira que “não tem nenhum sentido” o Governo pedir a fiscalização sucessiva de constitucionalidade de mais dois diplomas aprovados pelo parlamento, defendendo que está cumprida “em absoluto” a separação de poderes.
Recomendadas

“Eduardo Cabrita saiu sem honra nem dignidade. Pragmatismo de Costa chama-se eleições”, destaca Marques Mendes

“Cabrita sai porque há eleições daqui a dois meses e só sai por causa disso. O pragmatismo de António Costa chama-se eleições, se não houvesse eleições legislativas daqui a dois meses, Eduardo Cabrita continuaria no Governo”, realçou Marques Mendes no seu espaço de comentário no “Jornal da Noite” da SIC.

“Se quiser, será deputado do Chega”. André Ventura lança convite a Pedro Passos Coelho no Twitter

O líder do Chega realçou nessa publicação que tem conhecimento de que o antigo primeiro-ministro e ex-líder do PSD não terá gostado do desfecho das diretas do PSD e que “quem votou em Passos ou em Cavaco Silva sente-se órfão politicamente”.

Catarina Martins: “Há poucas coisas tão parecidas com a direita do que uma maioria absoluta do PS”

”Não há nada mais parecido do que uma maioria absoluta do PS do que a direita”, afirmou a líder do BE, referindo-se ao exemplo dos Açores, onde PSD, CDS-PP e PPM fizeram um acordo pós-eleitoral para formar Governo após as eleições regionais de 2020, pondo fim a mais de 20 anos de governos socialistas.
Comentários